As oito coisas que você deve saber para acabar com a narrativa da esquerda e da direita sobre o atentado a Bolsonaro

Por Ricardo Antunes

O atentado essa tarde ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) espantou o Brasil e está sendo manchete em todo mundo. Ele foi operado e passa bem depois de ter um quadro considerado "grave". Já está sendo o assunto nas redes mas é preciso muita atenção para você não cair no engodo e na narrativa dos militantes. Confiram:

 

1) Bolsonaro não foi vítima da violência porque ele "prega "violência". Isso é reduzir a compartilhar gravidade do fato.

 

Comigo, não passa.

 

2) Lula, Gleisi e os petistas  também pregaram  violência toda hora contra os "coxinhas" e o judiciário "golpista".

 

3) Ciro Gomes  disse que receberia Sergio Moro á bala.

 

4) Ou seja, esse papo de inverter os papéis não cola. A vítima é Bolsonaro. Pelo menos hoje.

 

Ou seja, esse papo de inverter os papéis não cola. Violência contra qualquer um dos citados acima é um acinte contra a democracia que ninguém pode permitir.

 Violência contra qualquer um dos citados acima é um acinte contra a democracia que ninguém pode permitir.

 

5) Como também não se pode culpar o PSOL porque o autor seria filiado ao partido. O ato foi isolado de uma pessoa com distúrbio mental

 

6)  Descartada a hipótese de "armação" pois o fato é grave e o candidato pode ser tudo menos "maluco".

 

7) Ainda é muito cedo mas quem deve capitalizar essa tentativa de "atentado" é, sim, o candidato do PSL que, como falei faz tempo, já está no segundo turno.

 

8)  Todo o  resto é apenas chute. E aqui, eu faço análise.

 

Vamos ao debate dessa noite. Podem comentar.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

Comentários