Participação de estrangeiros na aviação pode beneficiar passageiros, dizem especialistas

Da Redação de O Globo

A permissão para que estrangeiros invistam até 100% no capital  de empresas aéreas brasileiras pode aumentar a concorrência do setor, atraindo novas companhias para operar no Brasil, além de derrubar o preço das passagens beneficiando os passageiros, especialistas em aviação consultados pelo jornal.

Segundo esses especialistas, o tamanho do mercado brasileiro é um dos principais atrativos para o interesse dos estrangeiros: o Brasil é o sexto maior mercado de aviação do mundo e este ano devem ser transportados 100 milhões de passageiros.

O mercado brasileiro tem potencial de crescimento de duas, três vezes em pouco tempo. Em mercados como Canadá ou Austrália, por exemplo, vende-se de 3,5 até 4 passagens por ano por habitante. No Brasil, a relação é de 0,5 passagem por habitante.

Portanto, podemos crescer 100% rapidamente com a entrada do capital estrangeiro e maior concorrência - avalia Adalberto Febeliano, especialista em economia e planejamento do transporte aéreo.

 

le observa que o investidor que procura oportunidades no setor aéreo sempre tem o Brasil no radar, mas esbarrava na limitação de até 20% do capital votante. Febeliano observa que as companhias brasileiras já possuem investimento estrangeiro, que poderá ser ampliado. Na Gol, a americana Delta Air Lines é dona de 9,5% das ações e o grupo Air France-KLM tem 1,5%. Na Azul, a americana United Airlines tem 8% de participação.

Comentários