Aras chama para sua equipe procurador que foi vetado em Comissão de Mortos e Desaparecidos

Por Aguirre Talento de O Globo

BRASÍLIA - Indicado para comandar a Procuradoria-Geral da República (PGR), o subprocurador Augusto Aras já começou a convidar nomes para compor sua equipe, mesmo antes de ser aprovado em sabatina no Senado.

Ao menos duas pessoas já foram oficialmente chamadas e outras têm sido sondadas por Aras nos últimos dias. Um deles é o procurador Ailton Benedito, chefe da Procuradoria da República em Goiás, que é alinhado politicamente ao governo de Jair Bolsonaro. Ailton foi indicado pelo governo para integrar a Comissão de Mortos e Desaparecidos, mas teve seu nome vetado pelo Conselho Superior do Ministério Público Federal.

Questionado, Benedito confirmou ao GLOBO o convite, mas disse que ainda não decidiu se o aceitará e que deve se reunir pessoalmente nesta semana com Aras para conversar sobre o assunto. Segundo ele, não há ainda cargo definido.

— Estamos avaliando como poderei colaborar — afirmou Benedito.

Outro nome, o subprocurador aposentado Eitel Santiago Pereira, confirmou em suas redes sociais que aceitou o convite para ser Secretário-Geral da gestão de Aras, como adiantou o colunista Lauro Jardim nesta segunda-feira. O cargo é de responsável pela gestão administrativa e orçamentária do Ministério Público e pode ser ocupado por pessoas de fora da carreira. É por isso que não há impedimento para Santiago ocupá-lo, mesmo estando aposentado.

"Aceitei o convite para ser o Secretário-Geral do Ministério Público da União. Porém, tudo ainda depende da aprovação, pelo Senado, do nome de Augusto Aras, indicado pelo presidente Bolsonaro. (...) Atuará, tenho certeza, respeitando os preceitos constitucionais e preocupado em contribuir com o desenvolvimento nacional", escreveu em uma rede social.

Nesta semana, Aras deve se dedicar a encontrar senadores para se apresentar, expor suas opiniões e se preparar para a sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), ainda sem data marcada.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários