Opinião: Enfim, Bolsonaro ficou calado. Até quando ninguém sabe, por Ricardo Antunes

Por Ricardo Antunes

Finalmente o presidente Jair Bolsonaro entendeu que imprensa é para criticar e não para bajular governantes e "poderosos de plantão". Jornalismo é para se questionar, confrontar dados, fazer a boa provocação, investigar e apontar contradições.

TV e jornal que só diz o que o governo quer existe na Russia, em Cuba ou na China. Não em países democráticos como os EUA, Inglaterra, Alemanha e outros,

Bolsonaro pode usar a "grande" (sic) audiência que a TV do governo tem e mandar produzir apenas o que ele quer dizer É simples.

Quando Lula apanhava da Globo, da Veja, da Folha, do Estadão, não me recordo do então deputado "reclamar" da imprensa.

Se alguém lembrar ganha uma viagem para a Ilha de Fernando de Noronha por 4 dias com direito a acompanhante.

Hoje pela manhã Bolsonaro se recusou a falar com os jornalistas ao deixar o Palácio da Alvora.

O presidente se limitou a reclamar com os repórteres sobre as notícias veiculadas pela imprensa a respeito do governo. Segundo ele, os dados positivos não ganham destaque.

“Como querem notícia ruim, vão arranjar em outro lugar”, disse o novo "dono do mundo", disparou.

Sem querer fez o que eu disse há algum tempo. Presidente não tem que falar todo santo dia para a imprensa. Quem faz isso é comentarista de futebol.

Mais trabalho e menos polêmica irão ajudar o mercado a recuperar a confiança na economia e o país a retomar seu trilho depois da patuscada e da roubalheira dos governos petistas.

É isso.

Debate aberto.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários