Boris Johnson acusa Macron de usar Amazônia como desculpa para interferir em acordo com Mercosul

Com informações do The Independent e O Globo

BIARRITZ, França - O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson , jogou um balde de água fria na intenção do presidente da França, Emmanuel Macron , de vetar o acordo comercial da União Europeia com o Mercosul , que inclui o Brasil, alegando que a preocupação com as queimadas na Amazônia estava sendo usada como uma ''desculpa'' para interferir nas negociações de livre comércio.

Na véspera da cúpula do G7, Macron alertou que não assinaria o acordo UE-Mercosul - prestes a ser concluído após 20 anos de negociações -, a menos que o presidente Jair Bolsonaro mostrasse que está levando a sério seu compromisso de proteger o meio ambiente de seu país como parte da luta global contra as mudanças climáticas, como prometeu durante a reunião do G20, realizada no Japão, no início do ano.

Ao chegar em Biarritz para a cúpula do G7, Johnson reafirmou seu horror diante dos incêndios florestais que devastam várias partes da Amazônia brasileira. E ressaltou que faria "tudo o que puder" para ajudar o Brasil a enfrentar a "tragédia" da destruição da floresta tropical:

- Quero ver a tragédia no Brasil resolvida adequadamente. É isso que precisamos fazer e é isso que o Reino Unido está pronto para apoiar em nível global, não apenas no Brasil.

Nesta segunda-feira, último dia do encontro do G7 , Macron anunciou um acordo de 20 milhões de euros (pouco mais de R$ 90 milhões) para uma ajuda emergencial contra as queimadas na Amazônia.

Questionado sobre se juntaria a outros líderes na recusa de ratificar o acordo com o Mercosul, disse:

- As pessoas terão qualquer desculpa para interferir no livre comércio e frustrar os acordos comerciais, e eu não quero ver isso.

Assim, Johnson mostrou que está longe de apoiar a proposta de Macron, referendada pelo primeiro-ministro irlandês, Taioseach Leo Varadkar , de barrar a aprovação final da UE para o acordo de livre comércio com os países sul-americanos. No sábado, a Espanha disse que "não compartilha a postura defendida pelo presidente francês de bloquear o acordo UE-Mercosul.

O acordo com o Mercosul, do qual fazem parte também a Argentina, o Paraguai e o Uruguai, é contestado por muitos na França porque expõe os agricultores do país à concorrência de grandes quantidades de carne bovina barata proveniente da América do Sul.

Em entrevista ao jornal The Independent, o ativista florestal Juman Kubba lembrou que vivemos uma emergência climática e que Boris Johnson tem muita influência para impedir a destruição da Amazônia, começando com uma pausa de todas as negociações comerciais com o Brasil até que os incêndios estejam sob controle:

- Colocar a proteção da Amazônia e de seu povo no centro de qualquer futuro acordo comercial é uma etapa vital para evitar um desastre completo, não apenas no Brasil, mas no resto do mundo.

O Greenpeace, por sua vez, disse que Johnson deveria estar pronto para usar alavancas comerciais para proteger as florestas.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários