Governo iniciará estudos para decidir se Petrobras será privatizada

Por Manoel Ventura do O Globo

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quarta-feira que o governo realizará estudos objetivos para analisar a possibilidade de privatização da Petrobras. A ideia tem o apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

A iniciativa, no entanto, encontra resistência no Ministério de Minas e Energia, ao qual a petroleira está vinculada. A pasta é contra a ideia de se desfazer completamente da empresa. Por isso, a privatização da petrolífera é tratada com cautela por integrantes do governo, que preferem focar nas outras estatais já anunciadas, como a Eletrobras.

— Estamos indo passo a passo — disse ele, acrescentando: — O governo faz estudos e trabalha de maneira objetiva. A Petrobras como um todo passará por estudos pela equipe do PPI, do BNDES, da equipe do Ministério de Minas e Energia. As ações de desestatizações são criteriosas. Temos muitos anos pela frente.

No entanto, segundo fontes, o entorno de Guedes avalia que já existe uma mudança de percepção, dentro do governo, no sentido de apoiar a privatização da Petrobras, mesmo que no longo prazo. O primeiro motivo para essa avaliação é a necessidade de arrecadação de recursos para a União.

Outro argumento citado por fontes do Ministério da Economia é a necessidade de abrir o mercado de combustíveis no país, com mais concorrência, numa tentativa de baixar o preço.

A greve dos caminhoneiros é citada como um exemplo do problema de se ter uma estatal monopolista no comando do mercado de combustíveis. Isso faz, de acordo com as fontes, toda a pressão sobre o preço de gasolina e diesel ir diretamente para o presidente da República.

Há uma observação também sobre os próximos governos. Interlocutores de Guedes citam a recuperação pela qual passa a Petrobras, com venda de ativos e melhora nos seus resultados financeiros. O temor, diz essa fonte, é deixar uma Petrobras saneada para um outro grupo político e a estatal “voltar a ser palco de corrupção”.

Esses argumentos estariam fazendo o governo repensar posições contrárias às privatizações.

No início da noite, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, foi questionado se a iniciativa tem sido discutida ou cogitada entre o presidente e a equipe econômica. Ele afirmou:

— Não há por parte do presidente, ao menos não me formulou nenhuma ideia nesse sentido.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários