Turista australiano passa a madrugada no Alemão, bebe com criminosos e diz que aprendeu a usar armas

Por Letycia Cardoso e Lucas Abreu do O Globo

RIO — Sem ter noção dos riscos, um turista australiano contou ter passado a madrugada da última sexta-feira bebendo cerveja ao lado de homens armados do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, como antecipou o colunista do GLOBO Ancelmo Gois. Hugo Stanley-Cary, de 34 anos, decidiu visitar o conjunto de favelas após deixar a Lapa, bairro boêmio da região central da cidade, onde já havia bebido.

O estrangeiro, que chegou a ser confundido com um policial ao chegar ao local, conseguiu convencer os criminosos de que não usava um disfarce. Ele passou a madrugada bebendo na comunidade. O conjunto de favelas registrou 242 disparos de arma de fogo este ano, segundo a plataforma Fogo Cruzado.

— Depois do mal-entendido, eles foram legais comigo. Bebemos algumas cervejas, me mostraram como usar armas, compartilhamos músicas, histórias e técnicas de luta. Às 9h, me levaram até a saída, mas não quis ir embora — contou Cary.

Stanley-Cary trabalha em uma construtora de casas na Austrália. Ele contou que passou um mês na Nicarágua e está há três semanas no Brasil, entre São Paulo, Foz do Iguaçu e Rio de Janeiro. Ao GLOBO, o turista disse que estava na Lapa na madrugada da última sexta-feira, por volta das 3h, quando pediu a um motorista de aplicativo que o levasse à "favela mais perigosa de todas". Ele admitiu que já havia bebido. Assim, foi parar no Complexo do Alemão.

Sem medo, o turista permaneceu no Alemão e andou pelas vielas. Ele acabou sendo encontrado bêbado e foi levado ao hostel onde estava hospedado por moradores do Complexo do Alemão. Hugo Stanley-Cary só deixou a favela ao entardecer.

O jornalista Rene Silva, da Voz das Comunidades, foi chamado para ajudar na comunicação entre os moradores e o turista estrangeiro.

O australiano, que chegou a ser confundido como um policial disfarçado, bebeu com criminosos e disse ter aprendido com eles a usar arma Foto: Reprodução

— Ele contou que estava no Brasil de férias, e eu disse que ele tinha que ir embora, porque aquela área era perigosa. Havia cerca de 20 moradores em volta dele, protegendo-o para não ser roubado — disse.

O secretário municipal de Turismo do Rio, Paulo Jobim, se limitou a dizer que o caso comprova que o acolhimento do carioca é um dos maiores patrimônios da cidade:

— Esse registro mostra um dos maiores patrimônios desta cidade: o jeito carioca de ser! Para recuperar o potencial turístico de nossa cidade, temos que mobilizar os cariocas para receberem os turistas com carinho, nesses moldes.

Procurada, a Polícia Civil do Rio informou à reportagem que não tem uma cartilha de informação aos turistas e que não iria se manifestar sobre o caso, pois não houve registro de ocorrência sobre o episódio.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários