Fundaj teme impacto de construção e disponibiliza comissão de especialistas para acompanhar a questão

Com informações da Assessoria de Imprensa

Fundaj se posiciona contra construção de Atacado dos Presentes na vizinhança, presidente teme o impacto da construção ao empreendimento cultural da Cidade e disponibiliza comissão de especialistas para acompanhar o tema.

O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, oficiou o prefeito do Recife Geraldo Julio ressaltando as consequências da possível construção de uma unidade do Atacado dos Presentes no terreno de 12,1 mil metros quadrados na esquina no Poço da Panela, Zona Norte do Recife. O pedido foi feito levando em consideração o projeto que autoriza a construção da loja na área, atualmente em trâmite na Prefeitura do Recife e aprovado em algumas instâncias.

No documento, Antônio Campos explica: “Em nossos 70 anos de atuação, em comemoração no mês corrente, nosso maior presente é oferecer, em especial, aos recifenses um espaço de convivência cultural. Para isso, estamos projetando transformar nossa sede em um grande complexo cultural, com cinema cinemateca, pinacoteca, museu, galerias de exposições.” Ao tomar conhecimento da construção na vizinhança da Fundaj, o presidente confessou temer o impacto do empreendimento comercial em detrimento ao empreendimento cultural da Cidade.

O presidente explicou que a Fundação está constituindo uma comissão de especialistas para acompanhar o tema. “Solicitamos que seja disponibilizado para a Fundaj todos os estudos de impacto ambiental e cultural do empreendimento comercial, bem como seja debatido na sociedade os efeitos do funcionamento de uma loja de 12,1m² num dos bairros mais tradicionais do Recife, e de relevância ambiental e cultural da nossa Cidade.“

O bairro do Poço da Panela integra a Área de Reestruturação Urbana, que traça restrições para novas edificações. A carta menciona ainda que, no campus de Casa Forte, está localizado o centenário imóvel Casarão do prédio "velho" (ex-Hospital Magiot), que pertenceu a Francisco Ribeiro Pinto Guimarães, cujo processo para tombamento federal está em análise de instrução por nossos pesquisadores.

Confira a carta na íntegra:

“Em nossos 70 anos de atuação, em comemoração no mês corrente, nosso maior presente é oferecer, em especial, aos recifenses um espaço de convivência cultural. Para isso estamos projetando transformar nossa sede em um grande complexo cultural, com cinema, cinemateca, pinacoteca, museu, galerias de exposições. Será um expressivo polo cultural da Cidade do Recife.

Ainda, é oportuno registrar que em nossa propriedade está localizado o centenário imóvel Casarão do prédio "velho" (ex-Hospital Magiot), que pertenceu a Francisco Ribeiro Pinto Guimarães, cujo processo para tombamento federal está em análise de instrução por nossos pesquisadores.

Ao tomarmos conhecimento, pelos jornais, da construção de uma grande loja em nossa vizinhança tememos que o impacto do empreendimento comercial coloque em risco nosso empreendimento cultural.

Pelo exposto, solicitamos que seja disponibilizado para a Fundaj todos os estudos de impacto ambiental e cultural do empreendimento comercial, bem como seja debatido na sociedade os efeitos do funcionamento de uma loja de 12,1m² num dos bairros mais tradicionais do Recife, e de relevância ambiental e cultural da nossa Cidade.

Esta Fundação está constituindo uma comissão de especialistas para acompanhar o tema.

Atenciosamente,

Antônio Campos, presidente da Fundaj”

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários