Candidato da oposição argentina acusa Maduro de liderar um 'regime autoritário'

Por Janaína Figueiredo do O Globo

RIO — Como parte de sua estratégia de mostrar-se como um candidato moderado, Alberto Fernández , vencedor das primárias realizadas na Argentina domingo passado, afirmou em entrevista a um canal de TV local que aVenezuela "é um regime autoritário, o que torna muito difícil sua defesa".

Respondendo às acusações do presidente Mauricio Macri , que costuma dizer que uma eventual vitória da chapa formada por Fernández e a senadora e ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015) levaria o país a virar uma nova Venezuela, o candidato da aliança kirchnerista e peronista Frente de Todos assegurou que o governo Maduro "cometeuabusos ".

Para sustentar sua afirmação, Fernández mencionou o recente relatório elaborado pela ONU e apresentado por sua alta representante em matéria de Direitos Humanos, a ex-presidente socialista do Chile MichelleBachelet (2006-2010 e 2014-2018).

— É preciso recompor a institucionalidade na Venezuela e Maduro não a garante. Agora, a solução para a Venezuela não é correr atrás de (Donald) Trump — declarou Fernández.

Segundo o candidato, que com suas afirmações alinhou-se com a posição do ex-presidente do Uruguai José Pepe Mujica , o relatório apresentado por Bachelet "é de uma gravidade enorme". O documento fala em violações dos direitos humanos, torturas e responsabiliza o regime chavista por 7 mil mortes extrajudiciais.

A declaração de Fernández surpreendeu porque sua companheira de chapa, Cristina Kirchner, foi uma forte aliada de Hugo Chávez, antecessor de Maduro.

Um dia antes, o companheiro de chapa da ex-presidente e senadoraCristina Kirchner , respondeu às críticas feitas a eles pelo presidente Jair Bolsonaro , a quem classificou de "racista, misógino e violento". Fernández, entretanto, disse que o presidente brasileiro é apenas uma "circunstância da vida" e que pretende manter boas relações com o Brasil.

— Em termos políticos, eu não tenho nada a ver com Bolsonaro. Comemoro enormemente que ele fale mal de mim. É um racista, um misógino, um violento. O que eu pediria ao presidente Bolsonaro é que deixe Lula livre e pediria que se submeta a eleições com Lula em liberdade — disse Fernández, que obteve uma vitória esmagadora contra o presidente Mauricio Macri, candidato à reeleição, nas eleições primárias realizadas no domingo.

Na segunda-feira, auxiliares do presidente ligados à ala ideológica do governo não descartaram nem sequer rever a participação do Brasil no Mercosul caso a vitória da chapa Fernández-Kirchner se confirme.

As primárias de domingo funcionaram como uma megapesquisa das eleições presidenciais de 27 de outubro. Como não havia disputa interna nos partidos, o importante era saber que proporção de eleitores votaria em cada chapa. Com 99,37% das urnas apuradas, Fernández teve 47,66% dos votos. Macri, candidato à reeleição, recebeu 32,08% dos votos, uma diferença de menos 15 pontos percentuais. Na Argentina, para vencer no primeiro turno é necessário ter 45% dos votos ou 40% com uma diferença de ao menos 10 pontos sobre o segundo colocado.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários