PF faz buscas no apartamento de Fernando Pimentel em ação contra lavagem e crimes eleitorais

Com informações do O Globo

RIO - A Polícia Federal faz na manhã desta segunda-feira uma nova operação contra o ex-governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT). Na ação de hoje, denominada Monograma, a PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao petista - entre eles o apartamento onde mora - e visa o combate à lavagem de dinheiro e crimes eleitorais.

Desdobramento da Operação Acrônimo, da qual o ex-governador já foi alvo outras vezes, a Monograma tenta elucidar a suspeita de crimes eleitorais nos quais empresas de consultoria teriam simulado a prestação de serviços para o recebimento de vantagens ilícitas em valores superiores a R$ 3 milhões.

A PF se baseia na colaboração premiada do empresário Benedito Rodrigues, conhecido como Bené. De acordo com ele, , os valores recebidos vieram de atuação do ex-governador em favor de uma empresa do Uruguai.

Ao G1, a defesa de Pimentel afirmou que a ação causa estranhamento, uma vez que a Operação Acrônimo "já adotou todas as medidas possíveis" e se refere a fatos de 2014.

Em entrevista à Globonews, o delegado da Polícia Federal Marinho Rezende informou que notas fiscais foram emitidas por estas empresas de consultoria, mas há indícios fortes de que os serviços não foram prestados.

- Eram para disfarçar doações ilegais - afirmou.

Rezende ainda informou que as investigações apontaram a OAS como favorecida na contratação de obras quando Fernando Pimentel era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) do Governo Dilma Rousseff.

Réu em processos

Em 2017, ele foi acusado de tráfico de influência e lavagem de dinheiro por suspeita de agir em benefício da empresa JHSF para conseguir recursos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para construção de um aeroporto no interior de São Paulo.

Pimentel teria ajudado a empreiteira enquanto ocupou o cargo de ministro do Mdic, entre 2011 e 2014, no governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

O petista também é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro em processos que tratam de iniciativas que favoreceram a empreiteira Odebrecht e a empresa Caoa, no âmbito do Mdic. As duas teriam utilizado o operador financeiro de Pimentel, Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, para viaibilizar o pagamento de propina em troca dos benefícios.

Em delação premiada, Bené disse que o governador de Minas cobrou R$ 5 milhões em propina do grupo JHSF, responsável pelo aeroporto Catarina, em São Roque, na Região Metropolitana de São Paulo. O valor teria sido usado como compensação pelo lobby que Pimentel fez para que o grupo pudesse operar no aeroporto.

Pimentel , foi denunciado quatro vezes pela Procuradoria-Geral da República no Superior Tribunal de Justiça ( STJ ), a última em 2018. Em março deste ano, o ex-governador se tornou réu no processo. Porém, ao deixar o governo e ficar em imunidade, seus processos foram enviados à primeira instância. Ele é réu em outros dois processos.

Em julho deste ano, Pimentel e Bené foram convocados para interrogatório na Justiça.

Operação Acrônimo

A Operação Acrônimo teve início em maio de 2016 e mirou empresários que doaram para partidos políticos na campanha de 2014. O principal alvo foi Benedito Rodrigues de Oliveira, o Bené, dono de gráfica em Brasília, uma das quatro pessoas presas na primeira ação.

Avião prefixo PR-PEG do empresário Benedito Rodrigues de Oliveira, apreendido no aeroporto em Brasília Foto: Givaldo Barbosa / O Globo

Entre as medidas determinadas pela Justiça Federal, esteve o sequestro de um bimotor turboélice King Air, avaliado em R$ 2 milhões, de propriedade do empresário, que é ligado ao PT.

A mesma aeronave havia sido apreendida durante a campanha com R$ 116 mil. Marcier Trombiere Moreira havia sido detido em 2014, ao descer da aeronave, e voltou a ser preso na Operação Acrônimo. Trombiere é ex-funcionário do Ministério das Cidades, mas pediu exoneração ano passado para atuar na campanha de Pimentel.

Em junho de 2016, relatório sigiloso da PF acusou Pimentel de prática de possíveis atos de corrupção, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa supostamente chefiada por Benedito Oliveira. Entre os indícios de corrupção, a PF informa que o empresário pagou despesas com transporte e hospedagem do governador e da mulher dele, Carolina Oliveira, no Maraú Resort, numa praia da Bahia, entre 15 e 17 de novembro de 2013, quando Pimentel ainda era ministro do Desenvolvimento.

A PF também investiga pagamentos realizados por sindicatos mineiros a pessoas ligadas ao governador mineiro. A suspeita é de que os pagamentos ocorreram com o intuito de beneficiar direitamente o petista, em troca de vantagens no governo estadual.

Em outubro de 2017, A PF botou um ponto final no inquérito policial da Operação Acrônimo. O relatório, de 59 páginas, assinado pela delegada Denisse Ribeiro, indiciou oito pessoas, entre elas, o ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho, a mulher de Pimentel, Carolina Oliveira, o consultor de crises Mario Rosa e o ex-diretor do Casino (dona do Pão de Açúcar) Ulisses Kameyama. Pimentel ficou de fora, mas depois foi denunciado outras vezes.

"Tal organização criminosa é coordenada e integrada por Fernando Pimentel que, em razão de seu cargo facilitou a atuação de outros integrantes do grupo criminoso, ora usando sua influência política junto ao Ministério da Indústria e Comércio para favorecer e atender aos interesses do grupo, ora atuando por intermédio de outros agentes públicos", dizia o relatório.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários