‘O PT tinha diálogo com nóis cabuloso’, diz líder do PCC grampeado pela PF

Com informações do Poder360

Um líder do PCC (Primeiro Comando da Capital) interceptado pela Polícia Federal disse que a facção tinha “diálogo cabuloso” com o PT. Ele também criticou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

O veículo teve acesso a telefonemas de abril deste ano obtidos pela operação Cravada, que mira o núcleo financeiro da organização.

Na 4ª feira (7.ago.2019), a Polícia Federal foi às ruas em 7 Estados para cumprir 30 mandados de prisão. Foram bloqueadas 400 contas ligadas ao Primeiro Comando da Capital.

De acordo com as investigações, o núcleo financeiro da facção é responsável por recolher e gerenciar as contribuições para a organização em âmbito nacional.

No relatório de grampos telefônicos, a PF diz que foram encontrados “indicativos de vínculos da Orcrim [Organização Criminosa] PCC com partidos políticos”.

Para dificultar o rastreamento do dinheiro, os pagamentos, chamados de “rifas”, eram repassados à organização por meio de diversas contas bancárias, afirmou a Polícia Federal.

Um dos alvos é Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como “Elias” ou “Veio”. As investigações apontam que ele atua como “Resumo da Rifa”. Elias tem poder de decisão e manda nos demais integrantes da organização.

Em uma das conversas interceptadas, em dia 22 de abril, ele conversa com Willians Marcondes Ferraz, o “Rolex”. A PF diz que Willians atua na mesma posição na organização. Outro interceptado é André Luiz de Oliveira, o “Salim”.

Em outra ligação, Elias diz a Salim: “A gente sabe que esse governo que veio irmão, esse governo aí ô, os cara começou o mandato agora, irmão, agora que eles começaram o mandato, os caras têm quatro ano aí pela frente, irmão”.

“Os caras tão no começo do mandato dos cara, você acha que os cara já começou o mandato mexendo com nóis, irmão. Já mexendo diretamente com a cúpula, irmão. O… o… quem tá na linha de frente. Então, se os cara começou mexendo com quem estava na linha de frente, os caras já entrou falando o quê?”, afirma.

O traficante faz críticas ao ministro Sergio Moro. “Com nóis já não tem diálogo, não, mano. Se vocês estava tendo diálogo com outros, que tava na frente, com nóis já não vai ter diálogo, não. Esse Moro aí, esse cara é 1 filha da puta, mano. Esse cara aí é 1 filha da puta mesmo, mano. Ele veio pra atrasar”.

“Ele começou a atrasar quando foi para cima do PT. Pra você ver, o PT com nóis tinha diálogo. O PT tinha diálogo com nóis cabuloso, mano, porque… situação que nem dá para nóis ficarmos conversando a caminhada aqui pelo telefone. Mas o PT, ele tinha uma linha de diálogo com nóis cabulosa, mano”, diz Elias.

MP NEGA RELAÇÃO COM PARTIDO

O promotor de Justiça do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), Lincoln Gakiya –considerado o maior investigador do país contra o PCC– afirmou ao portal UOL que não há indícios de negociações entre a facção e o PT.

“Não há nenhum indicativo de negociação do governo PT com o PCC. Aliás, é bom que se diga que os presos não foram transferidos em décadas de governo PSDB em São Paulo”, disse.

O procurador ainda afirmou que Pereira, que citou o Partido dos Trabalhadores, não faz “parte da cúpula” do PCC. E que o governo de Jair Bolsonaro não foi o responsável pela transferência de líderes do Primeiro Comando da Capital.

“[Ele] apenas traduziu o que tanto os presos em geral, quanto a própria população pensam. Ou seja, que a remoção dos líderes do PCC foi obra do governo Bolsonaro e do ministro Moro. Informação distorcida. A investigação sobre o plano de resgate e o pedido de remoção de Marcola foi feito por mim, ou seja, pelo MP, e deferido pelo juiz da 5ª VEC (Vara de Execução Criminal) de São Paulo”, explicou.

O procurador ainda disse que a participação do governo federal se limitou em disponiblizar vagas através do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), e de organizar a logística da transferência. Por fim, corrigiu a fala de Pereira. “A percepção do preso de que o Moro determinou a remoção e endureceu para o PCC não é verdadeira, porque, como disse, as tratativas começaram quando o governo era do Temer”, enfatizou durante a entrevista.

OUTRO LADO

Ao Estadão, o Partido dos Trabalhadores declarou que trata-se de “mais uma armação” forjada contra a sigla e que a informação é divulgada “no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas”.

Leia a íntegra da nota:

“Esta é mais uma armação como tantas outras forjadas contra o PT, e vem no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas. Quem dialogou e fez transações milionárias com criminosos confessos não foi o PT, foi o ex-juiz Sergio Moro, para montar uma farsa judicial contra o ex-presidente Lula com delações mentirosas e sem provas. É Moro que deve se explicar à Justiça e ao país pelas graves acusações que pesam contra ele.

Assessoria de Imprensa do Partido dos Trabalhadores, 8 de agosto de 2019.”

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários