Bolsonaro adia decisão sobre PGR para próxima sexta: 'Tem uns 80 no páreo', brinca

Por Gustavo Maia do O Globo

BRASÍLIA - Dois dias depois de dizer que deveria anunciar sua indicação para o comando da Procuradoria-Geral da República(PGR) até a próxima segunda-feira,o presidente Jair Bolsonaro adiou para a próxima sexta-feira a previsão de quando vai revelar sua escolha.

Ele justificou o adiamento comparando o processo a um casamento, metáfora que costuma utilizar frequentemente, e brincou que hoje há "uns 80" candidatos no páreo para chefiar com Ministério Público Federal (MPF) .

— Não (decidi ainda). PGR, passamos para... talvez sexta-feira da semana que vem a gente decida aí. Porque é uma escolha muito importante, né? O mesmo de quando você se casou na tua vida. Você não escolheu bastante para se casar? E ela também escolheu bastante para casar contigo — afirmou Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Na quarta, o presidente havia dito que pretendia anunciar até o início da semana que vem para que a pessoa escolhida tenha tempo de articular a própria aprovação no Senado. Ele também disse, na ocasião, que os jornalistas "vão morrer curiosos".

Questionado se o número de candidatos que podem ser escolhidos aumentou, ele negou, mas em seguida disse que "todo mundo está no páreo".

— Uns 80 no páreo, é isso? — disse, olhando para o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, que estava ao seu lado e respondeu que "tem bastante gente".

Ao ser indagado se Moro lhe fez alguma recomendação sobre a escolha para a PGR, Bolsonaro confirmou, mas disse que também ouve outros ministros.

— Em grande parte eu me aconselho com ele. Eu sou técnico de um time de futebol, ele é um jogador. Então, o jogador conversa comigo, dá sugestão: "esse nome talvez não dê certo, aquele seja melhor". Assim como os demais ministros. Eu sou uma pessoa que, para contrariar o que muitos falaram de mim no passado, eu sou extremamente democrático.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários