Bolsonaro novamente provoca polêmica a dizer que Ustra, militar acusado de tortura na ditadura, é 'herói nacional'

Por Gustavo Maia do O Globo

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro , que nesta quinta-feira recebe em seu gabinete a viúva do militar Brilhante Ustra, chamou de herói nacional o oficial já falecido e acusado de prática de tortura no regime militar. Ao ser perguntado por jornalista o motivo do encontro com Maria Joseíta Silva Brilhante Ustra , Bolsonaro diz que é "apaixonado por ela".

- Ela tem um coração enorme. Eu sou apaixonado por ela. Não tive muito contato, mas tive alguns contatos com o marido dela enquanto estava vivo. Um herói nacional que evitou que o Brasil caísse naquilo que a esquerda hoje em dia quer.

O presidente disse ainda que Maria Joseíta foi revisora do livro de Ustra e sabe de histórias sobre mulheres envolvidas com a guerrilha.

- É uma mulher que tem histórias maravilhosas para contar das presidiárias de São Paulo, envolvidas com a guerrilha. Tudo o que ela fez no tocante ao bom tratamento a elas, no tocante a enxoval, dignidade, parto. E ela conta uma história bem diferente daquela que a esquerda contou para vocês.A admiração do presidente por Ustra já tinha sido manifestada em outras ocasiões. Na votação do impeachment da então presidente Dilma Rousseff, Bolsonaro citou o nome do militar como o "pesadelo de Dilma".

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários