"É preciso deixar claro que Davi Alcolumbre não é dono do Senado", afirma Modesto Carvalhosa

Com informações do Jornal da Cidade Online

Nesta quarta-feira (07), o jurista Modesto Carvalhosa publicou, através de suas redes sociais, as manobras que o Centrão toma para assaltar os cofres públicos.

Apesar do "desgosto" promovido pelo Centrão, o jurista comemorou a iniciativa de "12 bravos senadores" (Lasier Martins, Álvaro Dias, Oriovisto Guimarães, Leila Barros, Styvenson Valentim, Alessandro Vieira, Soraya Thronicke, Eduardo Girão, Rodrigo Cunha, Juíza Selma, Carlos Viana e Plínio Valério) batizado de Muda Senado.

Veja a publicação de Modesto:

"O Centrão, para aprovar a Reforma da Previdência em segundo turno, extorquiu mais R$3 bilhões mediante projeto de lei do governo pedindo crédito para imediata liberação de emendas impositivas.

Não bastasse esse novo assalto aos cofres públicos, na próxima semana, a Câmara deve votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020, que, graças a projeto do deputado federal Cacá Leão (PP-BA), autoriza o repasse de recursos públicos para as campanhas municipais no valor de até R$ 3,7 bilhões, que, acrescido ao Fundo Partidário, significará R$ 4,63 bilhões a serem incinerados com candidatos a prefeitos e vereadores dos carcomidos partidos políticos que infelicitam esse país a décadas. Velha política a plenos pulmões...

Em compensação, para mitigar esses desgostos, tomamos conhecimento da louvável iniciativa de 12 bravos senadores que resolveram montar o grupo Muda Senado.

São eles:

Lasier Martins;

Álvaro Dias;

Oriovisto Guimarães;

Leila Barros;

Styvenson Valentim;

Alessandro Vieira;

Soraya Thronicke;

Eduardo Girão;

Rodrigo Cunha;

Juíza Selma;

Carlos Viana;

Plínio Valério.

Esse novo bloco pretende agir em conjunto e defender com firmeza pautas caras a toda a sociedade, a exemplo da CPI Lava Toga e das 17 petições de impeachment de ministros do STF que cometeram crimes de responsabilidade.

De fato, é preciso deixar claro que Davi Alcolumbre não é dono do Senado e que os senadores estão em Brasília para defender o bem público, e não conveniências particulares nem tampouco interesses escusos.

Esperamos que outros senadores tenham a coragem de se somar ao Muda Senado e possam, assim, formar as maiorias necessárias a fazer aquela casa legislativa respeitar o mandamento da Constituição segundo o qual todo o poder emana do povo e em seu nome deve ser exercido."

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários