Para ter mais diretores, BNDES corta cargos comissionados

Por Rennan Setti do O Globo

RIO - Para ampliar de oito para dez o número de diretores, como quer o presidente Gustavo Montezano, o BNDES cortará 42 cargos comissionados. A medida é uma compensação orçamentária, já que o banco não pode aumentar gastos com pessoal, como prevê a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest).

Segundo o dado mais recente, referente a junho, a remuneração média dos diretores era de R$ 94,3 mil. O valor engloba honorário mensal, plano de saúde, auxílio moradia, auxílio alimentação e remuneração variável anual. No fim de maio, o BNDES tinha 1.044 funções gratificadas ou comissionadas.

Procurado pelo GLOBO, o BNDES não quis comentar a informação, mas fontes afirmaram que os cortes foram aprovados pela diretoria na quarta-feira e comunicados ao Conselho de Administração na sexta. No mesmo dia, o Conselho aprovou a indicação de quatro diretores: Fábio Abrahão (Infraestrutura), Petrônio Cançado (Crédito e Garantia), Saulo Puttini (Assuntos Jurídicos) e Leonardo Cabral (Privatizações).

Na gestão de Joaquim Levy, o estatuto do BNDES foi alterado para elevar o número de diretores de seis para oito. Em assembleia extraordinária em 7 de junho, a mudança foi condicionada ao corte de 42 funções de confiança.

Reorganização

Agora, com a nova mudança, um corte da mesma proporção deverá ser feito, assim como mudança de estatuto, disse uma fonte a par do assunto.

Logo após sua posse, Montezano anunciou uma reorganização na estrutura da diretoria do banco. Além de alterar funções, ele criou dois novos postos, como um diretor baseado em Brasília e uma diretoria dedicada à área de recursos humanos para proporcionar a “adaptação dos empregados à nova estratégia corporativa”. Até então, o RH do BNDES ficava dentro da diretoria de Estratégia e Transformação Digital.

Antes de Montezano assumir, embora o estatuto do BNDES previsse oito diretores, o banco vinha sendo tocado por apenas seis, que acumulavam funções vagas.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários