Bolsonaro indica ser contrário à cannabis medicinal, mas diz que decisão é da Anvisa

Por Daniel Gullino do O Globo

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro evitou se posicionar nesta quinta-feira sobre a proposta de regulamentação da cannabis medicinal , que está sendo discutida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ). Bolsonaro disse que a decisão é do órgão e que ele não poder interferir. Ao mesmo tempo, porém, afirmou que segue o posicionamento do ministro da Cidadania , Osmar Terra , que é contrário à proposta e tem criticado a Anvisa, e indicou que pode mudar a diretoria da agência.

Inicialmente, Bolsonaro afirmou estar "na linha" de Osmar Terra no assunto. O ministro considera que a proposta pode facilitar a legalização da maconha .

— O Osmar Terra trata esse assunto e estou na linha dele nessa questão da maconha. Ele diz que abre as portas para o plantio de maconha em casa. Então seria bom conversar com ele. Ele é médico.

Bolsonaro disse que está à disposição de conversar com o diretor-presidente da Anvisa, William Dib , mas ressaltou que não tem influência no órgão e afirmou que as agências reguladoras têm "superpoderes".

—Estou à disposição dele para conversar comigo. Conversaria com o presidente da Anvisa neste sentido, posso até trazer o Osmar Terra, conversar nós três. Não tenho influência na Anvisa, zero. Não tenho poder de interferir lá. As agências têm superpoderes.

Questionado sobre sua opinião pessoal sobre a questão, o presidente disse que não iria se posicionar:

— Vai dar manchete amanhã: presidente é favorável a liberar maconha. Vai estar na capa. Trata com o Osmar Terra. Se o Osmar Terra der o sinal verde...Não é que eu apoie. A decisão é da Anvisa, não é minha decisão. Não tenho nada a ver com isso.

Bolsonaro ainda ressaltou que o Senado aprovou recentemente sua indicação do contra-almirante da Marinha Antonio Barra Torres para a diretoria do órgão, e disse que pode nomeá-lo como diretor-presidente.

— Acabamos de indicar, foi aprovado no Senado a indicação de um almirante médico, se não tomou posse ontem toma hoje. Por enquanto eu tenho ainda o direito de, se quiser, no mesmo dia colocá-lo como presidente da Anvisa.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários