Hacker envolve Manuela D'Ávila na invasão de celulares de membros do governo

Da Redação do Blog

O depoimento dado à Polícia Federal por Walter Delgatti Neto, o principal suspeito de hackear Ministro da Justiça Sergio Moro e outras autoridades, foi lido agora há pouco ao vivo na Globo News. Nele, Delgatti diz à PF ter entrado em contato com Manuela D’Ávila para obter o telefone de Glenn Greenwald.

Para ser convencida de passar o contato do jornalista do The Intercept, a ex-deputada do PCdoB teria ouvido um áudio de uma conversa entre dois procuradores.

Segundo o depoimento do suposto hacker, o áudio enviado seria de uma conversa entre os procuradores Orlando e Januário Paludo- o que abriria precedentes para o envolvimento de Manuela no crime por se tratar de um grampo ilegal.

Dez minutos depois de compartilhar o áudio, afirmou Delgatti, Glenn Greenwald entrou em contato.

Leia, abaixo, o trecho do depoimento de Delgatti que trata do assunto (o nome de Manuela está escrito incorretamente, como “Manoela”, no original):

"QUE na manhã do Dia das Mães de 2019, ligou diretamente para Manoela D’Ávila afirmando que possuía o acervo de conversas do MPF contendo irregularidades; QUE ligou para MANOELA D’ÁVILA diretamente da sua conta do Telegram e disse que precisava do contato do jornalista Glenn Greenwald; QUE a princípio MANOELA D’ÁVILA não estava acreditando no DECLARANTE, motivo pelo qual fez o envio para ela de uma gravação de áudio entre os procuradores da República ORLANDO e JANUÁRIO PALUDO; QUE no mesmo domingo do Dia das Mães, cerca de 10 minutos após ter enviado o áudio, recebeu uma mensagem no Telegram do jornalista Glenn Greenwald, que afirmou ter interesse no material, que possuiria interesse público; QUE começou a repassar para Glenn Greenwald os conteúdos das contas de Telegram que havia obtido."

Segundo o depoimento de Walter Delgatti Neto à PF, lido agora há pouco pela GloboNews, Manuela D’Ávila –contatada pelo hacker– duvidou, num primeiro momento, da veracidade da afirmação de que ele tinha o material.

Então, sempre segundo o depoimento, Delgatti mandou à ex-deputada federal um áudio com uma conversa entre os procuradores Orlando e Januário Paludo.

A repórter Isabela Camargo leu na tarde de hoje(26) parte do depoimento do acusado. Nele, são dado detalhes antes não citados, e que comprometem uma série de pessoas antes não imaginadas.

Dez minutos depois de o áudio ter sido enviado a Manuela, afirmou Delgatti, Glenn Greenwald entrou em contato com o hacker.

Leia, abaixo o trecho do depoimento de Delgatti que trata do assunto (o nome de Manuela está escrito incorretamente, como “Manoela”, no original):

"QUE na manhã do Dia das Mães de 2019, ligou diretamente para MANOELA D’ÁVILA afirmando que possuía o acervo de conversas do MPF contendo irregularidades; QUE ligou para MANOELA D’ÁVILA diretamente da sua conta do Telegram e disse que precisava do contato do jornalista Glenn Greenwald; QUE a princípio MANOELA D’ÁVILA não estava acreditando no DECLARANTE, motivo pelo qual fez o envio para ela de uma gravação de áudio entre os procuradores da República ORLANDO e JANUÁRIO PALUDO; QUE no mesmo domingo do Dia das Mães, cerca de 10 minutos após ter enviado o áudio, recebeu uma mensagem no Telegram do jornalista Glenn Greenwald, que afirmou ter interesse no material, que possuiria interesse público; QUE começou a repassar para Glenn Greenwald os conteúdos das contas de Telegram que havia obtido."

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários