Morre, aos 80 anos, Walter Barelli

Com informações do Poder360

O ex-ministro e economista Walter Barelli morreu na noite dessa 5ª feira (18.jul.2019) em São Paulo. Completaria 81 anos na próxima semana.

Barelli estava no Hospital Sírio-Libanês em São Paulo, onde foi internado no começo de abril, depois de cair em uma escadaria do Instituto Tomie Ohtake. O acidente provocou 1 trauma grave, além da quebra de 1 braço e do fêmur.

BIOGRAFIA

Barelli nasceu em 25 de julho de 1938 e teve uma carreira marcada pelo sindicalismo. Era doutor em Economia com foco em distribuição de renda e professor universitário aposentado pela Unicamp.

Foi ministro do Trabalho durante a gestão do ex-presidente Itamar Franco, de outubro de 1992 a abril de 1994. Também foi deputado federal pelo PSDB-SP, de 2003 a 2007.

Em São Paulo, foi secretário do Emprego e Relações do Trabalho do Estado de 1995 a 2002, nos governos de Mário Covas e Geraldo Alckmin.

No movimento sindical, foi diretor técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), de 1966 a 1990. Além de atuações no Cesit (Centro de Economia Sindical e do Trabalho) da Unicamp e no Sindicato dos Bancários de São Paulo. Também participou do ativismo da JUC (Juventude Universitária Católica), enquanto estudou na USP (Universidade de São Paulo).

Barelli também contribuiu na elaboração do programa de governo de Fernando Henrique Cardoso no 1º mandato. O ex-presidente lamentou a morte: “Walter Barelli não apenas foi 1 economista competente como 1 cidadão valoroso. Dirigiu o Dieese e lhe deu qualidade. Ocupou posições importantes na cena política brasileira. Sempre teve lado: o dos assalariados. Deixa marcas no País e saudades nos amigos”, disse em nota divulgada à imprensa.

COMO MINISTRO

À frente do Ministério do Trabalho, Barelli cobrou a participação de sindicatos contra aumentos abusivos e inflação, promoveu ações contra o trabalho infantil e escravo no Brasil e pediu que a Polícia Federal investigasse casos denunciados pela Comissão Pastoral da Terra na Região Norte.

Durante o governo, defendeu a aprovação da reforma trabalhista junto com a implementação do Plano Real, e propôs o fim do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), por considerar que o fundo não cumpria sua função no setor habitacional.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários