Cade vai investigar estádios da Copa e obras da Petrobras

Com informações do Poder360

A Superintendência Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) instaurou 2 processos para apurar a existência de cartéis nesta 3ª feira (16.jul.2019). Um deles investigará licitações para construção de estádios de futebol para a Copa do Mundo de 2014. O outro envolverá obras da Petrobras.

Os casos tiveram início após a celebração de acordos de leniência e fazem parte das investigações conduzidas pelo Cade no âmbito da Operação Lava Jato.

As empresas investigadas por suposta participação no cartel em estádios são: Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia, Camargo Corrêa, OAS, Queiroz Galvão, Delta, Grupo Odebrecht (representado pelas empresas CNO, OECI e OPI) e Via Engenharia, além de 36 pessoas físicas.

Essa investigação teve início em acordo de leniência com a Andrade Gutierrez, executivos e ex-executivos da empresa. Segundo o Cade, a empresa apresentou informações e documentos com indícios de conluio entre concorrentes de licitações destinadas a obras em estádios para realização do mundial no país.

Há indícios de que os contatos entre concorrentes teriam se iniciado com a definição do Brasil como sede, em outubro 2007, e se intensificado no 2º semestre de 2008. O cartel teria atuado, pelo menos, até 2011.

Já os investigados no processo que trata de suposto cartel em obras de edificações especiais da Petrobras são: Carioca Engenharia, Construbase, Construcap, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Hochtief do Brasil, Mendes Júnior, Racional, Schahin Engenharia, WTorre, além de 23 pessoas físicas.

O caso teve início no acordo de leniência com a Carioca Engenharia e pessoas físicas relacionadas à empresa. Em novembro de 2018, foram celebrados TCCs (Termos de Compromisso de Cessação) com a Odebrecht, OAS e Andrade Gutierrez.

De acordo com a nota técnica da Superintendência Geral, os contatos ilícitos entre as concorrentes teriam começado em 2006 e continuado até 2008.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários