Oposição avalia que voto secreto ajuda Eduardo Bolsonaro e pede voto aberto

Por Tales Faria colunista do UOL

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), revelou ao blog que pedirá aos senadores para mostrar seus votos durante a sessão em que será analisada a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) a embaixador do Brasil nos EUA.

"Vamos usar a mesma estratégia que deu a vitória a Davi Alcolumbre (DEM-AP) na disputa contra Renan Calheiros (MDB-AL) pela presidência do Senado: pedir que todos os que votam contra a indicação mostrem seus votos", disse Randolfe.

Assim como na indicação de embaixadores, a Constituição também determina votação secreta para escolha do presidente do Senado. Na eleição de Alcolumbre, senador de um pequeno partido, ele disputou contra o candidato da maior bancada na Casa. Renan era, portanto, o favorito.

Os senadores contrários a seu nome conseguiram que não fosse usado o painel eletrônico, mas sim voto em urna, em papel.

Depois foi cobrado que cada senador contrário a Renan mostrasse seu voto preenchido para o plenário e para as câmeras."Isso foi decisivo na vitória do Davi. E agora, na indicação do embaixador em Washington, acho que o governo também pode se beneficiar do fato de a votação ser secreta. Então vamos forçar a abertura do voto", argumenta Randolfe.

O senador Major Olímpio (SP), líder do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, acredita que o plenário votará a favor da indicação. Mas admite que o voto secreto torna tudo inseguro: "Como dizia o ex-presidente da Câmara Ulysses Guimarães (MDB-SP), votações secretas dão muita vontade de trair".O líder do governo, senador Fernando Bezerra (MDB-PE), considera que o tipo de votação não interferirá no resultado. "É indiferente. Vamos ter cerca de 50 votos". São necessários 41 dos 81 senadores para a aprovação da indicação presidencial.

"Acho que o presidente fez uma grande bobagem. Está colocando seu governo em teste numa questão familiar, um desejo imperial de nomear o filho", disse ao blog o líder do PSD, Otto Alencar (BA).

"Será uma vergonha para o país e para o Senado aprovar um ato desses. Eu votarei contra", afirma. Mas Otto Alencar admite que o voto secreto "dá conforto a quem queira se esconder".

"Será uma vergonha para o país e para o Senado aprovar um ato desses. Eu votarei contra", afirma. Mas Otto Alencar admite que o voto secreto "dá conforto a quem queira se esconder". O líder tucano, Roberto Rocha (MA), diz que a votação secreta não influirá no resultado: "Apesar do calor do momento, a indicação será aprovada."

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários