Planalto negocia cargos para tomar de Rodrigo Maia o comando do Centrão

Por Tales Faria colunista do UOL

O presidente da República, Jair Bolsonaro, resolveu tomar do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o controle do Centrão, grupo de partidos de centro, com cerca de 200 deputados e que decide as votações no Congresso.

Foram destacados para comandar a operação a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, que está assumindo a coordenação política do Planalto no lugar de Onyx Lorenzoni.

A ordem é atender no que for possível as reivindicações dos partidos do Centrão por cargos e liberação de emendas. Os agraciados passarão a responder diretamente às demandas por votos do Planalto.

Essa amarração, no entanto, acaba funcionando como um jogo de estica e puxa entre o governo e sua base no Congresso.

É um peleja muito comum naquilo que os bolsonaristas chamavam de "velha política": os deputados ameaçam não votar enquanto não forem atendidos, e os governos empurram ao máximo a nomeação para depois que forem obtidos os votos.

A votação do primeiro e do segundo turno da reforma Previdência está sendo o primeiro teste para este novo esquema de articulação política do governo.

Joice Hasselman tem-se reunido com as bancadas estaduais para preparar a divisão do cargos.

O blog teve acesso a uma listagem entregue à líder por 11 deputados do Ceará que votaram o primeiro turno da reforma da Previdência e se dispõem a formalizar o apoio ao governo Bolsonaro.

Eles foram instruídos por Joice a fechar um acordo entre si para dividir os cargos federais no estado. Entregaram à líder a seguinte lista:

    • Genecias Noronha (SD) indica o coordenador estadual do Departamento Nacional de Obras contra a Seca;

  • Moses Rodrigues (MDB), o presidente da Companhia Docas do Ceará;
  • Domingos Neto (PSD), o superintendente estadual da Fundação Nacional de Saúde (Funasa);
  • Jaziel Pereira (PL), o superintendente regional Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra);
  • Antônio José Albuquerque (PP), o chefe da Geap – Auto Gestão em Saúde no estado;
  • Vaidon Oliveira (Pros), a chefia da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) no estado;
  • Júnior Mano (PL), chefes da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Superintendência Regional da Receita Federal;
  • Heitor Freire (PSL), o superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Fundação Nacional do Índio;
  • Pedro Bezerra (PTB), a chefia da Unidade Regional da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
  • Roberto Pessoa (PSDB), o superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab);
  • Aníbal Gomes (DEM) indica uma diretoria da Companhia Docas no estado.
  • Pedro Bezerra (PTB), a chefia da Unidade Regional da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
  • Roberto Pessoa (PSDB), o superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab);
  • Aníbal Gomes (DEM) indica uma diretoria da Companhia Docas no estado.
  • Pedro Bezerra (PTB), a chefia da Unidade Regional da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
  • Roberto Pessoa (PSDB), o superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab);
  • Aníbal Gomes (DEM) indica uma diretoria da Companhia Docas no estado.
Apesar das promessas, os deputados não estão seguros de que Bolsonaro irá, de fato, atender aos pedidos. Temem por um rompante do presidente. Enquanto não se sentirem completamente contemplados, devem permanecer sob o guarda-chuva de Rodrigo Maia. Há casos, como o de Moses Rodrigues, que parecem prestes a ser atendidos. A atual diretora-presidente da Docas cearense, Mayhara Chaves, já se licenciou do órgão. Os políticos do estado dizem que ela não volta.Quanto às emendas dos parlamentares para obras nos estados, por lei, seu pagamento agora é obrigatório. São as chamadas "emendas impositivas". Mas o governo pode apressar ou retardar a liberação. Só neste mês de julho e até o final da semana passada, o governo empenhou R$ 2,68 bilhões em emendas parlamentares. Mais da metade do R$ 4,45 bilhões empenhados desde o início do ano. O empenho é a formalização de que o dinheiro será liberado.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários