Ex-diretor da Petrobras diz que pegou propina que iria para o PT

Com informações do Poder360

O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque afirmou em interrogatório na 4ª feira (10.jul.2019) que pegou R$ 1,5 milhão em propinas que supostamente iriam para o PT. Segundo Duque, o valor foi oferecido a ele por não ter influenciado contratos que envolviam a Torre de Pituba, sede da Petrobras em Salvador.

As informações foram publicadas em reportagem do jornal O Estado de S.Paulonessa 6ª feira (12.jul).

Duque é 1 dos réus em ação penal da 56ª fase da Operação Lava Jato. Nomeada “Sem Limites”, a investigação se baseia em fraudes e propinas de R$ 62,2 milhões na construção da Torre de Pituba, paga pelo fundo de Pensão Petros e alugada para a Petrobras por ao menos 30 anos.

No depoimento, prestado na 4ª feira (10.jul), o ex-diretor acusou o então tesoureiro do PT, João Vaccari. Ele afirma que em 2009 –antes de haver edital de licitação para a obra– Vaccari o avisou que a Petrobras alugaria o prédio da Petros, e que o edifício seria construído pela Odebrecht.

“Ele [Vaccari] me disse o seguinte: ‘Eu não estou satisfeito com essa solução de ser a Odebrecht a construtora. Eu quero incluir também a OAS, porque a OAS tem uma grande relação com o PT. O Leo Pinheiro é um grande amigo e não tem porque uma empresa baiana ficar de fora de um prédio em Salvador. Então, vou trabalhar para que isso ocorra’”, diz trecho do depoimento divulgado pela reportagem.

Duque também afirmou que a área financeira da Petrobras fez avaliação para definir o prazo do aluguel e, para isso, questionou à Petros qual foi o valor avaliado para a obra. “A Petros informou R$ 588 milhões. A área Financeira ficou surpreendida porque, internamente, a avaliação interna da obra, variava em torno de R$ 100 milhões a menos”, disse.

O ex-diretor alega ter sugerido entrar em contato com a Petros para alertar sobre gastos excessivos na obra. E que após a própria avaliação, a Petrobras definiu o pagamento de aluguel em R$ 3,003 milhões –valor, segundo ele, menor que o colocado pela Petros.

Com a aprovação do contrato, ele relata ter recebido uma oferta de Vaccari. “Ele me disse que não achava justo, razoável, que eu não levasse nenhuma vantagem no negócio”. Duque afirma ter dito que não era necessário, e que o ex-tesoureiro voltou a argumentar: Olha, eu não acho justo, porque você sempre ajudou o partido, você não fez com que o processo emperrasse”.

Duque diz ter sido questionado “se estaria bom” para ele “receber R$ 1,5 milhão do valor inicial envolvido na obra”. Ele aceitou, respondendo: “Aceito, você está querendo me oferecer 1 milhão e meio, dinheiro que iria pro PT, eu aceito”.

O ex-diretor ainda declarou também ter sido questionado se preferia receber o valor da Odebrecht ou da OAS, e que escolheu a Odebrecht porque já tinha 1 “outro ilícito para receber da Odebrecht, combinado com Rodério Araújo [então representante junto à Petrobras]”.

O QUE DIZ VACCARI

Questionado sobre o tema, a defesa de Vaccari afirmou que o depoimento não é verdadeiro, e que não há provas para comprovação do que foi dito por Duque. Eis a resposta encaminhada ao jornal O Estado de S. Paulo:

“A defesa do Sr. João Vaccari vem se manifestar sobre a citação feita pelo delator Renato Duque, no processo referente à Torre Pituba.

Na verdade essa manifestação do Renato Duque não corresponde à verdade, além do que trata-se de palavra de delator, destituída de qualquer prova a corroborá-la.

O Sr. Vaccari, enquanto tesoureiro do PT, solicitava doações legais ao partido e todas elas foram realizadas por meio de depósito bancário na conta do partido, com recibo e prestação de contas às autoridades competentes. Essa é a verdade que ficará demonstrada no processo”.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários