Governo corta previsão de crescimento do PIB em 2019 para 0,81%

Por Gabriel Ponte e Mariana Ribeiro do Poder360

A SPE (Secretaria de Política Econômica) do Ministério da Economia anunciou nesta 6ª feira (12.jul.2019) novo corte na sua projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2019, para 0,81%.

Essa foi a 3ª revisão feita neste ano. Em janeiro, o governo esperava alta de 2,5%. Em março, reduziu para 2,2% e, em maio, para 1,6%.

Mesmo com os cortes, a projeção oficial estava muito acima da feita por economistas do mercado financeiro, que esperam crescimento bem menor, de 0,8%, segundo o Boletim Focus, relatório semanal divulgado pelo BC (Banco Central).

No final de abril, a autoridade monetária também revisou sua projeção de 2% para 0,8%.

A atividade econômica ainda não conseguiu engatar ritmo de crescimento neste ano. No 1º trimestre, o PIB brasileiro ficou no vermelho pela 1ª vez desde o último trimestre de 2016, com queda de 0,2%.

Com isso, as projeções para o crescimento da atividade vêm sendo sucessivamente revisadas para baixo.

A correção dos parâmetros deve levar a uma reestimativa de receitas e, consequentemente, a 1 novo bloqueio de recursos do Orçamento. O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, confirmou que o governo deve anunciar novo contingenciamento no próximo Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, em 22 de julho.

PRÓXIMOS ANOS

Já para o ano que vem, o Ministério da Economia reduziu a projeção de crescimento do PIB, de 2,5% para 2,2%. Em 2021, 2022 e 2023, a perspectiva mantém-se de crescimento a 2,5%.

EIS OS DEMAIS PARÂMETROS ATUALIZADOS:

  • inflação: de 4,1% para 3,8%. Neste ano, o governo persegue a meta de 4,25%, com 1,5 ponto percentual (p.p) de tolerância para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%). Em junho, mês que não houve divulgação dos dados, a projeção da inflação estava em 3,9%;
  • dólar: permaneceu em R$ 3,80;
  • IGP-DI; de 6,2% para 6,3% (média);
  • preço médio do barril de petróleo: de US$ 65,50 para US$ 64,50;
  • massa salarial nominal: de 5,2% para 5,5%.

PEC DA PREVIDÊNCIA

Entre 10 de junho e 5 de julho, a SPE realizou uma sondagem com cerca de 60 analistas do mercado financeiro considerando 1 cenário de aprovação, pelo Congresso Nacional, da PEC da Previdência, levando em conta a expectativa de cada participante em relação ao valor esperado de economia aos cofres públicos e o peso no desempenho do PIB em anos subsequentes.

Constatou-se, assim, a projeção de taxas de crescimento substancialmente mais elevadas em 1 cenário abarcando a aprovação da reforma.

Em 1 cenário com aprovação da reforma (crescimento do PIB a.a)

  • 2019: 0,8%
  • 2020: 2,2%
  • 2021: 2,5%
  • 2022: 2,5%

Em 1 cenário sem aprovação da reforma (crescimento do PIB a.a)

  • 2019: 0,4%
  • 2020: 0,5%
  • 2021: 0,8%
  • 2022: 1,0%

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários