Dólar cai a R$ 3,74 após aprovação de texto-base da Previdência; Bolsa opera nos 105 mil pontos

Por Gabriel Martins de O Globo

RIO — A aprovação do texto-baseda reforma da Previdência na Câmara dos Deputados contribuiu positivamente para o mercado brasileiro. O dólar comercial opera com queda de 0,37%, valendo R$ 3,745. O Ibovespa, principal índice acionário, recua 0,49%. Mesmo com a variação negativa, a Bolsa opera nos 105.298 pontos.

A aprovação do texto, com votos acima do projetado pelo governo, deu um sinal de que a reforma tem chances de ser aprovada dentro do prazo estipulado pelo pela equipe econômica.

Álvaro Bandeira, economista-chefe do Modalmais, destaca que o recuo na Bolsa é normal, uma vez que o índice está com uma sequência de cinco altas:

— O recuo do Ibovespa é mais do que esperado. Após cinco altas seguidas, os investidores tentam embolsar alguns lucros neste pregão — diz Bandeira.

Os especialistas destacam que o mercado já antecipou a aprovação do texto-base no pregão da véspera. Desta forma, os números não estão tão distantes daqueles que foram observados na quarta.

Votação: Reforma da Previdência tira país do caos fiscal e surpreende pelo placar favorável, dizem analistas

— O mercado já precificava a proposta reforma. O ponto de apreensão era a tramitação do texto. O primeiro trimestre decepcionou um pouco, mas agora no fim do segundo, com a Câmara asusmindo o potagonismo e o governo contribuindo mais na articulação, o processo fluiu mais — destaca Rafael Antunes, sócio da Inove Investimentos, em linha com relatórios da XP.

A primeira votação realmente agradou o mercado, destaca o economista do Modalmais. Entretanto, pondera que ainda há um caminho a ser percorrido pelo texto, tanto na Câmara quanto no Senado.

— A aprovação de ontem é boa, e a tendência do mercado segue de alta para Bolsa e dólar controlado. Mas foi apnas um dia. É preciso aguardar a votação dos destaques ao texto e recalcular qual será a economia fiscal após estas possíveis mudanças — ressalta Bandeira.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários