Maia ainda negocia para que PSL não apresente destaques sobre reforma

Com informações do Poder360

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse nesta 3ª feira (2.jul.2019) que partidos ainda negociam com o PSL, sigla do presidente Bolsonaro, para que os deputados não apresentem destaques ao voto do relator da Previdência na comissão, o que poderia atrasar o cronograma de votação da matéria.

Os deputados da sigla pedem regras melhores para policiais. Mais de 20 deputados da bancada do PSL são ligados à área da segurança pública, entre eles delegados, coronéis e majores. Segundo Maia, as demandas apresentadas dizem respeito à Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal e tratam de regras mais brandas para estes setores.

Rodrigo Maia, contudo, acha muito difícil que os pleitos sejam atendidos pelo relator Samuel Moreira (PSDB-SP).

“O que se pede eu acho que é muito difícil que o relator possa acatar, mas 1 acordo intermediário que tenha 1 custo pequeno para a economia do projeto eu acho que vale a pena estudar até o dia de amanhã até a hora da votação”, explicou.

O que ainda estaria em discussão é uma regra de transição para essas categorias, uma vez que os outros regimes previdenciários e as Forças Armadas já contam com esse pressuposto.

O presidente da Casa pondera que é preciso ter cuidado para fazer alterações no texto a essa altura.

O importante seria manter a economia da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), cujo relatório foi atualizado nesta 3ª (2.jul), de R$930-R$940 bilhões e também, nesse ponto, até uma sinalização do Ministério da Economia, de que não haveria qualquer desconforto em fazer tais mudanças.

Desde a 2ª feira (1º.jul), lideranças do PSL tentam viabilizar as mudanças. Nesta manhã, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), falou em dissuadir o partido de apresentar destaques, o que poderia atrasar o cronograma de votação da reforma.

ESTADOS AINDA PODEM VOLTAR

Fora do relatório da reforma da Previdência, os Estados e municípios ainda dependem de negociações para voltarem a integrar o texto.

Segundo Maia, ainda se está “tentando construir 1 caminho”: “Ainda não encontramos, ainda temos até a comissão amanhã, que é mais difícil, e o Plenário na próxima semana se tudo der certo.”

“conflitos locais” a serem resolvidos ainda, mas o presidente da Casa enfatizou a importância destes entes para a reforma.

Para ele, caso isso não se resolva até amanhã, resgatar Estados e municípios para o texto seria uma possibilidade no Plenário da Câmara, mas ainda há “alguma articulação que precisa ser feita”.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários