Bolsonaro preside encontro dos Brics no Japão e diz que protecionismo provoca tensões

Com informações do O Globo

OSAKA, Japão - O presidente Jair Bolsonaro presidiu nesta sexta-feira uma reunião informal dos líderes dos Brics — China, Índia, Rússia e África do Sul —, à margem da cúpula do G-20 , encontro dos 20 países mais ricos que vai até o sábado em Osaka , no Japão. Bolsonaro conclamou os outros países do grupo a demonstrarem a capacidade de enfrentar “momentos difíceis e desafiadores” como o atual.

O presidente criticou práticas econômicas protecionistas:

— A persistência de correntes protecionistas e de práticas econômicas desleais é fonte de tensões comerciais e põe em risco a estabilidade das regras internacionais de comércio — afirmou Bolsonaro.

O presidente da China Xi Jinping, o presidente da Rússia Vladimir Putin, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, participaram do encontro.

O presidente reafirmou o apoio do Brasil ao sistema multilateral de comércio “por ter certeza de que o dinamismo da economia mundial depende dele”.

Ele apontou a redução de “medidas distorcivas do comércio agrícola” como prioridade e disse que o Brasil está comprometido em superar o impasse que afeta o órgão de apelação e o sistema de solução de controvérsias do comércio global.

Para Bolsonaro, isso garante segurança e previsibilidade do comércio internacional. Mas observou que os desafios são muitos.

O presidente afirmou aos outros líderes que seu governo está abrindo o mercado de gás natural, que disse ser insumo indispensável para o ingresso numa economia com menor impacto ambiental.

O objetivo, acrescentou, é promover a concorrência e aumentar a oferta de energia barata para as famílias e para as indústrias. O governante brasileiro mencionou também a modernização das leis trabalhistas.

PUBLICIDADE

Bolsonaro destacou que a economia mundial passa por transformações que mudarão sua estrutura nos próximos anos e considerou que a cooperação no Brics ajudará seus membros nessa caminhada.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários