Em maio Governo teve déficit de R$ 14,7 Bilhões

Com informações do Poder360

O caixa do governo central –que reúne Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social– encerrou maio com deficit de R$ 14,74 bilhões. As informações foram divulgadas nesta 4ª feira (26.jun.2019) pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Economia.Em termos reais, o resultado do mês passado é 27,7% pior que o registrado em maio de 2018, quando houve deficit de R$ 11,03 bilhões.

Já na análise dos componentes, a Previdência Social registrou deficit de R$ 14,918 bilhões. O Tesouro Nacional e o Banco Central tiveram resultados positivos de R$ 169 milhões e R$ 9 milhões, respectivamente.

O resultado primário contabiliza a diferença entre as receitas e despesas do governo, sem considerar o pagamento dos juros da dívida pública.As informações foram divulgadas nesta 4ª feira (26.jun.2019) pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Economia. Eis a íntegra.

RESULTADO ACUMULADO

No acumulado de 12 meses, o deficit chega a R$ 125,2 bilhões, o que equivale a 1,76% do PIB (Produto Interno Bruto). A meta para o ano é 1 rombo de R$ 139 bilhões, equivalente a 1,90% do PIB. Será o 6º ano consecutivo de deficit.

No acumulado dos 5 primeiros meses do ano, houve deficit de R$ 17,49 bilhões. Em termos reais, o resultado é 9,6% pior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando somou R$ 15,21 bilhões negativos.

Também neste período, só a Previdência Social registrou deficit de R$ 80,02 bilhões. O Tesouro Nacional teve superavit de R$ 62,64 bilhões. Já o Banco Central teve deficit R$ 122 milhões.

EMPOÇAMENTO

O Tesouro informou que R$ 13,9 bilhões empoçados até o fim de maio, ou seja, já haviam sido liberados aos ministérios, mas não foram gastos. Os 4 órgãos com maiores empoçamentos são:

  • Ministério da Saúde: R$ 3,6 bilhões;
  • Emendas parlamentares: R$ 2,7 bilhões;
  • Ministério da Defesa: R$ 1,7 bilhões;
  • Ministério da Educação: R$ 2,0 bilhões.

Estes valores já estão em posse de cada ministério, por exemplo, mas não foram aplicados. Segundo o Tesouro, isso se explica pela “rigidez alocativa”, ou seja, pela determinação legal de que os valores sejam destinados a setores que não necessariamente precisem desse montante no exercício vigente.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários