Empresário da F-1 já foi investigado pela Lava Jato e presidiu grupo que deve 24 mi à União

Por Carlos Petrocilo e Diego Garcia da Folha de S. Paulo

À frente do projeto que pretende levar a F-1 para o Rio de Janeiro, José Antonio Soares Pereira Júnior presidiu uma empresa que faliu e deve R$ 24,7 milhões para a União. O diretor executivo da Rio Motorpark - que venceu a licitação para construção do autódromo de Deodoro - já foi citado em investigações sobre o mensalão e da operação Lava Jato. Ele não foi indiciado em nenhum dos casos.

O empresário presidiu a Crown Processamento de Dados, cujo nome fantasia é Crown Telecon. A companhia acumula R$ 24,7 milhões de débitos na dívida ativa da União. São débitos cobrados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) referentes a Previdência Social, o FGTS e outros a Fazenda Nacional. A massa falida da empresa tem 20 ações trabalhistas. Ele também está inscrito na dívida ativa com débito de R$ 85,5 mil como pessoa física.

Pereira é o diretor executivo da Rio Motopark Holding S.A, sociedade anônima fechada que foi a única que fez proposta na licitação para o autódromo do Rio, em Deodoro. Em maio, a prefeitura da cidade anunciou o grupo como vencedor da concorrência.

A Rio Motorpark foi constituída em janeiro de 2019 e tem um capital social de R$ 100 mil reais. O projeto do autódromo tem um orçamento de R$ 697 milhões. Caberá ao gruo a construção do circuito, que terá 5.835 m de extensão, e cessão por 35 anos.

Paralelo ao processo de licitação, JR Pereira abriu negociação com a FOM (detentora dos direitos comerciais da F-1) para realizar o Grande Prêmio do Brasil no Rio de Janeiro a partir de 2021. O contrat da F-1 com Interlagos, em São Paulo, vai até 2020.

Antes de empreender o projeto para construção do autódromo de Deodoro, JR Pererira foi sócio da Crown Holding. A companhia tinha a holandesa Templar Investments como sócia.

A Crown foi a segunda maior fonte de recursos ao ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares no período pós-mensalão. O grupo doou R$ 214 mil, de 2009 a 2011, para o ex-tesoureiro, conforme apontou a Lava Jato com base em dados da quebra de sigilo do petista nos anos de 2007 a 2013.

A Crown Holding é uma empresa que controla majoritariamente ações de outras empresas subsidiárias. Ela foi aberta em 2001, em Minas Gerais. A situação cadastral da Crown Holding e das suas subsidiárias na Receita Federal é inapta desde 2018. Entre suas subsidiárias, a Crown Holding detém empresas de importação, exportação além da Crown Processamento de Dados.

O empresário teve seu nome citado em um relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios em 2006, por ter recebido R$ 21,8 mil da SMP&B, uma das empresas usadas pelo publicitário Marcos Valério para desvios de dinheiro do mensalão. A comissão cruzou dados contábil-financeiro e apresentou uma relação de nomes - no qual consta Pereira Júnior - que receberam recursos de Valério pedido de Delúbio Soares.

Nem na CPMI dos Correios nem em razão das doações da Crown ao ex-tesoureiro do PT, JR Pereira foram indiciado.

O empresário se apresentou antes da abertura do processo de licitação para construção do autódromo de Deodoro, no Rio de Janeiro, como representante do consórcio Rio Motorsports, uma holding baseda no estado americano de Delaware, considerado o paraíso fiscal com o maior sigilo do planeta, segundo especialistas no assunto.

Em 2018, um relatório do Instituto de Hudson, centro de estudos sediado em Washington (EUA), apontou que Delaware afrouxa leis locais para permitir o registro de milhares de companhias anônimas em seu território. O autor da pesquisa diz que advogados e consultores empresariais de diversos países já começaram a apelidar o local de "a nova Suíça".

A Folha solicitou entrevista com JR Pereira, antes mesmo da empresa ser anunciada pela prefeitura, no dia 20, como a vencedora da licitação para construir o autódromo de Deodoro e ter concessão por 35 anos. A assessoria de imprensa do consórcio Rio Motorsports enviou nota á Folha.

"A exemplo do que ocorreu em todas as oportunidades em que a Folha procurou explicações sobre a Rio Motorsports, há claro viés de pré-julgamento e pouca vontade de esclarecer os fatos de modo a bem informar o leitor", afirmou a assessoria de imprensa, que não respondeu os questionamentos enviados ao empresário.

Em outra nota , a assessoria da Rio Motorsports listou empresas que, segundo o consórcio, participam do grupo: " o arquiteto alemão Hermann Tilke, autor de projeto das pistas de Abu Dhabi, Xangai, Sepang e Hanói, a empresa alemâ Sporttotal, responsável pela realização das 24h de Nurburgring, e a construtora espanhola Acciona, que possui trabalhos por toda Europa e Ásia".

A Folha entrou em contato com os escritórios de Tilke e a construtora espanhola Acciona, que não responderam o pedido de entrevista. A Sporttotal diz que é parceira do projeto.

"Somos parceiros do projeto de construção do novo autódromo do Rio de Janeiro", Tobias Weitzel, diretor da Sporttotal. " Fomos procurados pela Rio Motorsports e descobrimos que o design era muito consistente do ponto de vista conceitual, econômico e esportivo".

A empresa alemã será responsável pelo controle da corrida, cronometragem, monitoramento de vídeos na pista, luzes de largada, entre outras. Para Weitzel, o fato da Rio Motorsports estar sediada nos Estados Unidos trouxe mais segurança para formalização da parceria.

"Somos uma empresa alemã que segue regras extremamente rígidas, fizemos um levantamento rigoroso e a confirmação é de uma empresa limpa, adequada", disse Weitzel. "Estar localizado nos Estados Unidos nos deu ainda mais segurança para aprofundar nosso relacionamento."

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários