Tostão: “Neymar vive da fama, seu comportamento é irresponsável”

Por Juan I. Irigoyen do Site ELPAÍS

“Vou falar em português, despacito”, esclarece Eduardo Gonçalves de Andrade (Belo Horizonte, 1947), o Tostão, ao repórter espanhol. Foi um dos símbolos do Brasil campeão mundial de 1970, um jogador que marcou época, e que a torcida brasileira bem gostaria de ter desfrutado por mais tempo. Um problema no olho esquerdo fechou as portas do futebol para ele aos 26 anos.

Pergunta. Quantas vezes você se perguntou como teria sido sua carreira se não se aposentasse aos 26 anos?

Resposta. Poderia ter jogado por muito mais tempo. Lamentei muitíssimo quando me disseram que não poderia voltar a jogar, mas no dia seguinte já estava na porta da escola para voltar a estudar. Era uma nova oportunidade para a minha vida. Eu gostava de ler, eu gostava de estudar e tinha outras inquietações. Joguei futebol por 10 anos como profissional. Atuei como médico por mais de 20 anos. Fui professor. E de alguma maneira voltei para o futebol, eu o escrevo. Não posso me queixar.

Tostão, em 2016. BOB WOLFENSON (DIVULGAÇAO)

P. Foi melhor como médico ou como jogador?

R. É diferente… Fui um bom médico. Fui um bom jogador. Estive na seleção brasileira, estive ao lado do Pelé, o melhor jogador de todos os tempos. E joguei naquela que possivelmente foi a melhor seleção da história. Como médico e professor, fiz uma carreira com muita seriedade e respeito.

P. O que acha do Neymar?

R. Acho que tem tido um comportamento desnecessário e irresponsável. Vive da fama. Ficou muito convencido, parece um pop star… E tudo isso foi ruim para a sua carreira. Mas são as escolhas dos jovens de hoje em dia. São muito diferentes dos do passado. E não é o único. Messi é uma exceção. A maioria leva uma vida irresponsável, cheia de problemas.

P. O que ele precisa fazer?

R. Seria bom que mudasse, que tivesse um comportamento mais correto fora de campo. Ele treina muito, prepara-se muito bem para cada jogo. Se não fizesse isto, a situação seria muito pior. Ouço as pessoas dizerem que o Neymar fracassou…

P. E fracassou?

R. Como assim fracassou? Eu vi quase todos os seus jogos no Santos, no Barcelona e no PSG. Quase todos. E em quase todos jogou muito bem e foi o destaque. Cada vez que vejo um jogo dele, inclusive pela seleção, é assim. Como se pode dizer que ele fracassou? Demonstra todo o seu talento, mas não tem a regularidade do Messi, do Cristiano Ronaldo ou de outros jogadores, porque teve lesões graves. Nos últimos anos, nos momentos mais importantes para ele, estava contundido.

P. Isso não é culpa dele?

R. Contusão são contusões. Não dependem muito dele. É um jogador espetacular, espetacular, espetacular. Digo três vezes porque é assim. Espero que volte para o Barcelona. Se voltar, terá as condições, dentro e fora do campo, de voltar a jogar como já jogou antes, num nível altíssimo.

P. Fale-me de Messi.

R. O melhor jogador do mundo é claramente Messi. É muito completo. É um magistral passador, um magistral artilheiro, um magistral driblador… muito completo. O Cristiano Ronaldo, por sua vez, é um magistral finalizador. O Cristiano é mais completo como finalizador, e o Messi como jogador. Só que, na seleção, o Messi não teve a oportunidade de ganhar nada importante. Ele é tão bom que acredito que haja uma parte da torcida brasileira que quer que ele ganhe a Copa. Gosta mais do Messi que da seleção brasileira.

P. Messi precisa ganhar para superar Maradona?

R. Se só os analisarmos tecnicamente, Messi é melhor que Maradona. É mais regular, joga há mais de 10 anos num muito alto nível, fez mais gols, deu mais passes… É muito mais completo. Diego era mais artístico, era um Ronaldinho melhorado. Mas como Maradona ganhou a Copa, foi o melhor jogador no México [em 1986] e fez o gol mais bonito da história, é normal que para muitos argentinos Diego seja superior a Messi. Por mais que Leo não ganhe nada com sua seleção, para mim será o melhor da história depois do Pelé.

P. O que tinha Pelé?

R. Pelé tinha algo que Messi não tem, a força física. Era um touro. Quando precisava, empurrava aos zagueiros, se chocava com eles. Tinha muita técnica, habilidade e criatividade, como Messi tem, mas era mais forte. E quando as coisas não saíam bem, Pelé ficava uma fera. Messi é mais tranquilo nesse sentido.

P. Na Argentina, dizem que falta liderança a Messi.

R. Pelé não era um líder. Mas tinha muita força psicológica. Quanto mais difícil ficava o jogo, mais agressivo ele ficava. Acho que isso é uma vantagem sobre Messi.

P. Onde assistiu ao 7 x 1 da Alemanha sobre o Brasil em 2014?

R. Na minha casa. Estava paralisado. Foi a maior catástrofe futebolística de todos os tempos. Meu filho estava no estádio e me ligou chorando. Eu achava que podia ser a gota d’água para que o Brasil se transformasse, dentro e fora do campo. Para criar uma organização mais eficiente, para que haja dirigentes mais honestos, mas isso não aconteceu. O Brasil continua administrado pela mesma gente. E, dentro de campo, tampouco houve uma grande mudança. A maioria dos técnicos brasileiros não entendeu que o futebol precisa evoluir. Trataram [o 7 x 1] como um acidente, e não como um fato sintomático. Foi o carimbo de uma época que precisa ser transformada. É preciso parar de pensar no que fomos e pensar no hoje. O positivo é que estão vindo jogadores com muita qualidade individual. O Brasil continua sendo uma fábrica de craques.

P. O que falta ao Brasil?

R. Uma das grandes deficiências foi deixar de formar pensadores, organizadores, passadores de bola, como Falcão, Toninho Cerezo, Gerson, Rivelino… Criou-se uma maneira de jogar em que o futebol se dividiu entre os que marcam e jogam de zagueiros e os que atacam e são centroavantes. Acabaram-se os meio-campistas.

P. E Arthur?

R. É uma esperança. É um renascimento desse futebol que tinha sido abandonado. Nós carecíamos de um Xavi, de um Iniesta, de um Kroos.

P. Tampouco a Argentina e o Uruguai formaram grandes meio-campistas nos últimos anos.

R. É um problema sul-americano. Abandonar o meio-campo é abandonar a criação do futebol. O grande exemplo do que significava jogar com meias foi o Barcelona de Guardiola.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários