Estados que fizeram ajuste investem quatro vezes mais que governos endividados

Com informações do O Globo

BRASÍLIA - Os estados que conseguiram controlar as despesas com pessoal, incluindo funcionários ativos e inativos, desde o início da crise econômica, mantêm hoje um nível de investimento por habitante mais de quatro vezes maior que as unidades da federação em grave situação fiscal e que não implementaram programas de ajuste. É o que aponta estudo do Ministério da Economia sobre a situação fiscal dos governos regionais.

Se forem excluídos da reforma da Previdência, como prevê o parecer do relator apresentado na semana passada, será ainda mais difícil para esses estados equilibrar as contas públicas.

Quer saber quanto tempo falta para você se aposentar? Simule aqui na calculadora da Previdência

O levantamento da Secretaria Especial de Fazenda dividiu os estados em dois grupos e observou dados de investimento, receita e gasto com pessoal entre 2006 e 2018. No primeiro grupo, estão aqueles vistos como bons exemplos de gestão fiscal (Espírito Santo, Alagoas e Ceará) e que se esforçaram para conter o avanço das despesas com a folha.

O segundo grupo considera os governos que não alteraram a trajetória de gastos (Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul) e que, por isso, viram o percentual da receita comprometido com a folha subir em ritmo bem mais acelerado que os demais. Rio, Minas e Rio Grande do Sul são as unidades da federação em pior situação fiscal do país.

Descontrole de gastos

Juntos, Espírito Santo, Alagoas e Ceará, investiram em média R$ 381 por habitante no ano passado. A fatia da receita dos três estados usada para pagar pessoal subiu de 46% em 2006 para 53% em 2018. Já o investimento médio por habitante de Rio, Minas e Rio Grande do Sul foi de R$ 91 no ano passado. O percentual da receita desses três estados comprometido com despesas com inativos e ativos passou de 49% em 2006 para 67% em 2018.

O Rio teve leve melhora no investimento por habitante após aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, que assegura um alívio no pagamento das dívidas com a União. Em 2017, ano em que aderiu ao programa, o governo fluminense investiu R$ 60 per capita. No ano seguinte, o valor subiu para R$ 91. Minas e Rio Grande do Sul querem aderir ao regime, mas ainda não conseguiram.

O estudo ressalta que, enquanto no primeiro grupo a trajetória de despesa com ativos e inativos acompanha a tendência de crescimento da receita, no segundo grupo esse gasto se manteve alto mesmo com a queda na arrecadação no auge da crise econômica. As consequências mais visíveis dessa situação são atrasos de salários dos servidores e nos pagamentos de fornecedores, além da depreciação da infraestrutura por falta de investimento em manutenção, já que esses estados usam boa parte de suas receitas para cobrir déficit previdenciário e salários.

— Alguns estados, hoje, não têm praticamente capacidade de investir porque perderam o controle das contas públicas. O que mais contribuiu para esse descontrole, disparado, é a despesa de pessoal. Isso vale tanto para estados e municípios quanto para a União — disse o diretor de Estados e Municípios da Secretaria Especial de Fazenda, Bruno Funchal, autor do estudo.

O documento também compara quanto dos recursos dos Tesouros estaduais é utilizado para cobrir o déficit previdenciário dos servidores públicos e quanto é destinado para investimentos em serviços para a população. No ano passado, o rombo da Previdência de todos os 26 estados mais o Distrito Federal foi de quase R$ 100 bilhões, valor destinado a pouco mais de 2,4 milhões de servidores inativos, segundo o texto. Enquanto o gasto com investimento dos estados foi de R$ 25 bilhões, recursos para investimentos que atingem toda a população.

Um especialista em contas públicas ouvido pelo GLOBO lembra que Rio, Rio Grande do Sul e Minas são os estados mais idosos do país. Isso faz com que esses entes gastem cada vez mais com servidores inativos. Por isso, o ajuste tende a ser mais lento, já que a margem de manobra para o gestor é menor. Com a restrição orçamentária, os investimentos acabam sendo estrangulados, e o estado acumula dívidas com fornecedores, chegando até a atrasar salários.

- Quando o estado chega a esse nível, de se financiar atrasando salário e pagamento, ele quebrou - afirmou o analista.

A insolvência atinge também estados como Goiás, Mato Grosso e Rio Grande do Norte, que decretaram situação de calamidade financeira. Outros entes vêm atrasando o pagamento de fornecedores, como Santa Catarina, Piauí, Roraima e Amazonas. A reforma da Previdência dos servidores de estados e municípios é apontada como uma das principais medidas para equacionar as contas dos governos regionais. Mas eles ficaram de fora do relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Melhora na educação

Os estados em melhor situação fiscal estão crescendo acima da média nacional, de acordo com o documento. Isso porque os que têm finanças organizadas trazem mais segurança para os investidores. O estudo também ressalta que o equilíbrio fiscal tem efeitos positivos sobre os serviços básicos, como a educação. Segundo o documento, de 2013 a 2017, Espírito Santo, Ceará e Alagoas subiram entre seis e nove posições no ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Já Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais caíram entre 6 e 12 posições.

“O equilíbrio fiscal é um ativo importante para assegurar avanços na prestação de serviços à população, além de trazer um ambiente seguro para novos investimentos privados, criando mais oportunidades de emprego e renda”, conclui o texto.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários