Moro sugeriu que investigação contra FHC seria pouco relevante

Com informações do Site Poder360

O portal The Intercept divulgou na noite desta 3ª feira (18.jun.2019) novas conversas entre o ministro Sergio Moro (Justiça) e o procurador da República Deltan Dallagnol. Nos diálogos, o então juiz federal sugere que uma investigação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na operação Lava Jato seria pouco relevante.

Em 13 de abril de 2017, 1 dia depois de o Jornal Nacional veicular reportagem sobre acusações contra o ex-presidente na Lava Jato, Moro questiona Dallagnol: “Tem alguma coisa mesmo seria do FHC? O que vi na TV pareceu muito fraco? Caixa 2 de 96? Não estaria mais do que prescrito?”.

O procurador responde: “Foi enviado para SP sem se analisar prescrição. Suponho que de propósito. Talvez para passar recado de imparcialidade”. Moro, então, arremata: “Ah, não sei. Acho questionável pois melindra alguém cujo apoio é importante”.

Eis as conversas:

Moro – 09:07:39 – Tem alguma coisa mesmo seria do FHC? O que vi na TV pareceu muito fraco?Moro – 09:08:18 – Caixa 2 de 96?Dallagnol – 10:50:42 – Em pp [princípio] sim, o que tem é mto fracoMoro – 11:35:19 – Não estaria mais do que prescrito?Dallagnol – 13:26:42 – Foi enviado pra SP sem se analisar prescriçãoDallagnol – 13:27:27 – Suponho que de propósito. Talvez para passar recado de imparcialidadeMoro – 13:52:51 – Ah, não sei. Acho questionável pois melindra alguém cujo apoio é importante

Este é o 4º lote de conversas entre Moro e Dallagnol divulgado pelo Intercept. O 1º foi mostrado em reportagem de 9 de junho. Nele, o então juiz parece direcionaro procurador em operações da força-tarefa da Lava Jato. No 2º, mostrado pelo editor-executivo do Intercept, Leandro Demori, à rádio BandNews FM, Moro e Dallagnol dizem confiar no apoio do ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal). Já no 3º, divulgado na última 6ª feira (14.jun), Moro orienta o MPF a emitir uma nota para rebater o que chamou de ‘showzinho’ da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Desde a 1ª reportagem, Moro nega qualquer ilegalidade nas conversas. O MPF, por sua vez, diz que a Lava Jato é imparcial. Os 2 ainda atribuem o vazamento das conversas à ação de hackers.

Em nota divulgada depois da publicação da reportagem desta 3ª, o Ministério da Justiça diz que Moro “não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos” e nega qualquer interferência no caso envolvendo FHC.

Eis a íntegra da nota:

“Sobre as supostas mensagens divulgadas, esclarecemos:– O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos, que podem ter sido editadas e manipuladas, e que teriam sido transmitidas há dois ou três anos.– Nunca houve interferência no suposto caso envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que foi remetido diretamente pelo Supremo Tribunal Federa a outro Juízo, tendo este reconhecido a prescrição.– A atuação do Ministro como juiz federal sempre se pautou pela aplicação correta da lei a casos de corrupção e lavagem de dinheiro.– As conclusões da matéria veiculada pelo site Intercept sequer são autorizadas pelo próprio texto das supostas mensagens, sendo mero sensacionalismo.”

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

De acordo com o Intercept, 1 dia antes de responder Moro, Dallagnol tratou do tema no grupo “Conexão Bsb-CWB”, que reunia procuradores de Brasília e de Curitiba. Foi neste grupo que recebeu a informação de que a investigação foi enviada para São Paulo sem ter a prescrição analisada.

Dallagnol – 11:42:54 – Caros o fato do FHC é só caixa 2 de 96? Não tá prescrito? Teve inquérito?Sérgio Bruno Cabral Fernandes – 11:51:25 – Mandado pra SPSérgio Bruno Cabral Fernandes –11:51:44 – Não analisamos prescriçãoDallagnol – 13:26:11 –

O caso a que os procuradores se referiam era do conhecimento do MP desde o fim de 2016, quando o executivo Emílio Odebrecht disse em delação que teria ajudado Fernando Henrique nas eleições de 1994 e 1998. O depoimento do executivo permaneceu em segredo de Justiça até 2017, quando foi enviado a São Paulo. Os fatos, contudo, já estavam prescritos e a investigação acabou arquivada 3 meses depois.

Outras conversas reveladas na reportagem desta 3ª mostram que os procuradores da força-tarefa acreditavam ser importante incluir o PSDB nas investigações para rebater as acusações de que a Lava Jato seria parcial. Em 17 de novembro de 2015, o procurador Roberson Pozzobon sugeriu em 1 grupo investigar pagamentos da Odebrecht aos institutos Lula e FHC: “Assim ninguém poderia indevidamente criticar nossa atuação como se tivesse vies partidário”. A mensagem é acompanhada de documentos que comprovariam os repasses.

Paulo Galvão – 20:35:08 – porra bomba issoRoberson – 20:35:20 – MPF Pois é!!!Roberson – 20:35:39 – O que acha da ideia do PIC [Procedimento de Investigação Criminal]?Roberson – 20:35:47 – Vai ser massa!Paulo Galvão – 20:35:51 – Acho excelente sim RobinhoRoberson – 20:36:47 – Legal! Se os demais tb estiverem de acordo, faço a portaria amanha cedo/h6>Roberson – 20:38:08 – Acho que vale até uma BA na Secretaria da iFHC que mandou o email. Ela é secretária da Presidencia!Laura Tessler – 20:38:36 – Sensacional esse email!!!!Roberson – 20:38:48 – Mais, talvez pudessemos cumprir BAnos três concomitantemente: LILS, Instituto Lula e iFHC

Um ano depois, o ex-presidente foi citado em outras delações e os procuradores voltaram a discutir a possibilidade de aprofundar as investigações para passar a ideia de imparcialidade.

Dallagnol – 09:54:59 – Viram do filho do FHC?Dallagnol – 09:55:01 –http://pgr.clipclipping.com.br/impresso/ler/noticia/6092614/cliente/19Dallagnol – 09:56:20 – Creio que vale apurar com o argumento de que pode ter recebido benefícios mais recentemente, inclusive com outros contratos … Dará mais argumentos pela imparcialidade… Esses termos já chegaram, Paulo? Esse já tem grupo?Paulo Galvão – 10:00:38 – Chegaram vários do Cervero, mas não sei se esse especificamente desceuPaulo Galvão – 10:00:59 – Nos temos de qq forma todos os depoimentos na pastaDallagnol – 10:24:20 – Algum grupo se voluntaria? Eu acho o caso bacanissimo, pelo valor histórico. E recebendo naquela época pode ter lavagem mais recente pela conversão de ativos ou outro método como compra subfaturada de imóvel o que é mto comum…. Seria algo para analisarPaulo Galvão – 10:26:33 – Deixa ver antes se desceu. Pode ter sido mandado p outro lugar, como os que foram p o rio (e isso é um dos temas q eu quero tratar na reunião)

Quando seu nome foi citado nas delações, Fernando Henrique disse que não tinha “nada a temer” e afirmou que a Lava Jato estava “colaborando no sentido de colocar as cartas na mesa”.

Procurado pelo Intercept para comentar as mensagens entre procuradores, o ex-presidente disse que não teve conhecimento de nenhum inquérito ou denúncia relacionados à delação de Nestor Cerveró. Reconheceu apenas a investigação que acabou arquivada em 2017.

Depois da 1ª divulgação de mensagens entre Moro e Dallagnol, Fernando Henrique disse ao UOL que o vazamento mais parecia “tempestade em copo d’água”: “A menos que haja novos vazamentos mais comprometedores”.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários