Governo tentará brecha para incluir novamente capitalização na reforma da Previdência

Com informações do O Globo

BRASÍLIA - O governo tentará negociar com o relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) alterações no seu parecer. Uma das iniciativas será abrir uma brecha, ainda que pequena, que permita a criação do regime de capitalização , como contribuição obrigatória dos empregadores igual à do trabalhador e parâmetro para o valor do benefício, que não poderia ser inferior a um salário mínimo.

No regime de capitalização, defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, os trabalhadores poupam para a própria aposentadoria. No modelo atual, de repartição, as contribuições vão para um mesmo bolo que é repartido com os inativos.

O parecer do relator foi apresentado na Comissão Especial na semana passada e começa a ser discutido nesta terça-feira. Entre os pontos analisados por técnicos da equipe econômica está a inclusão de medidas que possam ajudar os regimes próprios de previdência (de União, estados e municípios) a se reequilibrarem. Uma delas é a obrigatoriedade de criação de uma contribuição temporária extraordinária para os participantes e patrocinadores toda vez que o sistema previdenciário registrar déficit. Esse item foi retirado no texto original.

Moreira reiterou ao GLOBO a intenção de fazer ajustes no relatório, na forma de complementação do voto, mas que somente deverá fazer isso após o encerramento da fase de discussão, que antecede a votação da matéria, previsto para a última semana de junho. Segundo o deputado, eventuais modificações terão que ser negociadas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e com líderes dos partidos, visando sempre os 308 votos necessários para aprovação da reforma.

— O meu relatório pode ser modificado, estou aberto ao diálogo — afirmou Moreira.

O governo também quer reincluir na proposta o gatilho para o aumento da idade mínima de aposentadoria, que se balizará pelo avanço da expectativa de vida da população, sem precisar alterar a Constituição. Outra ideia é incluir um dispositivo para evitar a concessão de benefício assistencial a quem tem patrimônio superior a R$ 98 mil.

Um dos pontos cruciais da reforma são os estados e municípios que ficaram de fora das mudanças nas regras da aposentadoria porque os parlamentares não querem assumir sozinhos o ônus de votar um projeto impopular e se desgastar junto às suas bases eleitorais. Pelo relatório apresentado, a proposta afeta apenas os servidores da União. O governo gostaria de mudar esse cenário, mas admite que dificilmente terá êxito, apesar das dificuldades financeiras dos estados e prefeituras.

Uma das alternativas, caso esses entes fiquem mesmo de fora das novas regras, é incluir na proposta medidas que possam dar um alívio fiscal, como aconteceu com a proibição para incorporação de vantagens nos benefícios.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários