Ministro Santos Cruz irá deixar o governo Bolsonaro

Com informações da Folha de São Paulo

O General Carlos Alberto dos Santos Cruz foi demitido nesta quinta-feira (13) da Secretária de Governo da Presidência da República pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Desde que chegou ao Planalto, em janeiro, o ministro se envolveu em uma crise com os filhos do presidente, além de um embate com o escritor Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro.

Um integrante do Palácio do Planalto usou a expressão 'freio de arrumação' para explicar a demissão.

Santos Cruz é o terceiro ministro a cair na gestão Bolsonaro, após as quedas de Gustavo Bebianno (Secretaria Geral), por causa da crise dos laranjas, e Ricardo Velez Rodrígues (Educação), pelas falhas de gestão na pasta.

O incômodo da cúpula militar do governo com Olavo de Carvalho cresceu á medida que se avolumaram os ataques do escritor reverenciado pelo presidente e pelo grupo ideológico que o cerca.

O ministro general reagiu ás ofensas de Olavo aos militares que hoje trabalham no Palácio do Planalto, em especial o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB).

" Eu nunca me interessei pelas ideias desse sr. Olavo de Carvalho", disse Santos Cruz á Folha. Nem a forma nem o conteúdo agradam a ele", afirmou. "Por suas últimas colocações na mídia, com linguajar chulo, com palavrões, inconsequente, o desequilíbrio fica evidente", criticou o ministro, em março.

Integram ainda a ala militar do Planalto os generais Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, o porta-voz, Otávio Rêgo Barros, e o chefe da Secretaria-Geral, Floriano Peixoto.

Outro desgaste ocorreu em torno das disputas dentro do governo sobre regulamentação de veículos de imprensa - a Secom (Secretaria de Comunicação Social) está subordinada á pasta de Santos Cruz.

Santos Cruz concedeu entrevista no início de abril á rádio Joven Pan na qual comentou sobre a necessidade de evitar distorções nas redes sociais.Ele afirmou que a influência das mídias sociais é benéfica, mas também pode " tumultuar". Para ele, é necessário ter cuidado com a sua utilização, evitando ataques ao seu uso como "arma de discórdia".

Durante visita de Bolsonaro aos EUA, Olavo disse que Mourão é um "cara idiota", "um estúpido, uma figura " que não tem ideia do que é a Vice-Presidência". "Não o critico, eu o desprezo", soltou.

Bolsonaro reagiu. Em mensagem publicada em sua conta oficial no Twitter, ele escreveu que recomenda "um estágio na Coreia do Norte ou em Cuba" para quem defender uma espécie de controle de conteúdo divulgado.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários