Bolsonaro encontra Moro após revelação de mensagens, e os dois vão de lancha a evento militar

Com informações do O Globo

BRASÍLIA - O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, foi na manhã desta terça-feira ao Palácio da Alvorada se encontrar pela primeira vez com o presidente Jair Bolsonaro após a revelação de mensagens trocadas entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol , divulgadas no domingo pelo site de notícias "The Intercept" .

Pouco depois, os dois embarcaram em uma lancha no Lago Paranoá, nos fundos da residência oficial do presidente, rumo a um evento da Marinha.

Os dois chegaram juntos ao Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília para participar da cerimônia de comemoração do 154º Aniversário da batalha naval do Riachuelo, uma das mais importantes da Guerra do Paraguai, e a entrega das condecorações da Ordem do Mérito Naval. Tanto na embarcação quanto durante a solenidade militar, Moro ficou ao lado direito de Bolsonaro, em sinal de prestígio junto ao chefe.

No início da manhã desta terça-feira, o encontro não constava na agenda de nenhum dos dois, mas foi incluída para as 9h15 na de Moro. Segundo a assessoria de imprensa do ministro, a reunião foi solicitada nesta manhã por ele ao presidente.

Segundo "The Intercept", as mensagens vazadas sugerem que o então juiz federal e Dallagnol teriam combinando como atuariam em algumas situações na operação Lava-Jato, inclusive em pontos do processo do tríplex do Guarujá, que levou à condenação e prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em nota, o ministro da Justiça lamentou "a falta de indicação de fonte de pessoa responsável pela invasão criminosa de celulares de procuradores. Assim como a postura do site que não entrou em contato antes da publicação, contrariando regra básica do jornalismo". Os dois negam irregularidades e denunciam a invasão ilegal de suas comunicações.

A força-tarefa de Curitiba divulgou nota para rebater a reportagem, dizendo que "seus membros foram vítimas de ação criminosa de um hacker que praticou os mais graves ataques à atividade do Ministério Público, à vida privada e à segurança de seus integrantes".

Na noite de segunda-feira, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros disse que Bolsonaro havia feito contato com o Moro, mas não tratou com profundidade do episódio. Por isso, aguardaria o retorno do ministro da Justiça a Brasília para conversar pessoalmente sobre o que chamou de "vazamento de informações sobre a operação Lava-Jato". Moro viajou na manhã de segunda para cumprir agenda em Manaus e retornou à capital federal à noite.

Em nota enviada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência na segunda-feira à noite, Bolsonaro afirmou que "nós confiamos irrestritamente no ministro Moro". A frase foi enviada ao Jornal Nacional, da TV Globo.

Agraciados

A Ordem do Mérito Naval tem 175 agraciados, entre autoridades civis e militares. Dentre eles, estão 15 ministros do governo Bolsonaro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, além de senadores e deputados federais.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, que esteve em uma agenda com Bolsonaro no Alvorada a partir das 8h também se juntou ao presidente no trajeto e no evento.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários