Maia critica ideia de moeda única entre Brasil e Argentina

Com informações do Site Poder360

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou em seu perfil no Twitter nesta 6ª feira (7.jun.2019) a ideia apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de criar uma moeda única entre Brasil e Argentina.Bolsonaro falou sobre o assunto na manhã desta 6ª. Ele está em viagem oficial no país sul-americano.

Segundo Guedes, a ideia interessa mais aos argentinos.“Quem está querendo são eles, os argentinos estão animadíssimos. Nós estamos pensando, conversando e conjecturando. Eles abraçaram, aparentemente, a ideia”, disse Guedes em Buenos Aires, segundo G1.

Maia compartilhou uma notícia do jornal O Globo sobre o assunto e escreveu: “Será? Vai desvalorizar o real? O dólar valendo R$ 6,00? Inflação voltando? Espero que não”.

A Argentina registrou inflação de 47,6% em 2018, a mais alta nos últimos 27 anos, e o peso (a moeda argentina) tem sofrido forte desvalorização frente ao dólar nos últimos meses. A cotação atual é de US$ 1 para cada 45 pesos.

Já no Brasil, a inflação em maio ficou em 0,13%, o menor resultado para o mês desde 2006. O dólar está cotado a R$ 3,9.

GUEDES FALA HÁ 10 ANOS SOBRE MOEDA ÚNICA

Em 2008, o ministro da Economia escreveu artigo publicado na revista Época em que defende uma moeda única na América Latina.

Guedes escreveu que uma moeda chamada “peso-real” iniciaria 1 ciclo de reformas e romperia a inércia que travava o crescimento do Continente.

“A intenção de criar ao longo da próxima década uma forte moeda regional deflagraria 1 ciclo de reformas para assegurar a convergência de políticas tributárias, trabalhistas, previdenciárias, e assim por diante. Essa agenda positiva criada pela busca de uma moeda continental romperia a inércia que trava nossas lideranças políticas e ameaça a dinâmica de crescimento da América Latina”, escreveu Guedes em 2008.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários