Leilão de energia para atender Roraima movimenta R$ 1,62 bilhão

Com informações do Site Poder360

O leilão para fornecimento de energia para Roraima, realizado nessa 6ª feira (31.mai.2019), movimentou R$ 1,62 bilhão em investimentos. No total, foram negociados 263,5 MW de energia, que deverão ser entregues a partir de 28 de junho de 2021.

Ao todo, 9 empreendimentos se habilitaram para fornecer energia para Boa Vista e outras localidades conectadas. Os preços ficaram entre R$ 670 e R$ 1.059,17 para o valor pago pelo megawatt/hora (MWh).

Entre os vencedores estão 7 projetos de fontes renováveis, que incluem usinas solares fotovoltaicas, a biomassa e biocombustíveis.

A Uniagro vai oferecer eletricidade a partir de 4 plantas de biomassa de resíduos de madeira. A Enerplan e a BBF venceram a disputa com empreendimentos híbridos de biocombustível e energia solar.

A BBF também vai fazer o fornecimento com outra planta que mescla biocombustível com biomassa.

A Eneva vai desenvolver 1 projeto termelétrico, Jaguatirica II, de 132,3 MW, movido a gás natural. A usina será abastecida com o gás produzido pela Eneva no campo de Azulão, no Amazonas.

A Monte Cristo vai gerar a partir de óleo diesel, oferecendo 42,2 megawatts de potência.

O início do suprimento está previsto para 28 de junho de 2021. Cadastraram-se para participar do leilão de hoje 156 empreendimentos com capacidade.

FORNECIMENTO PRECÁRIO DE ENERGIA

O leilão é visto como 1 marco no setor elétrico em relação à entrega de energia em regiões que não são abastecidas pelo sistema elétrico nacional. Roraima é o único Estado não integrado ao SIN (Sistema Interligado Nacional).

Fonte: EPE

Por quase 20 anos, o Estado foi abastecido pela energia elétrica gerada na Venezuela. A ligação entre Boa Vista e o complexo hidrelétrico de Guri, em Puerto Ordaz, é feita pelo Linhão de Guri.

Por conta do agravamento da crise econômica no país vizinho e a falta de manutenção do linhão que transmite a eletricidade, o Estado enfrentou instabilidade no fornecimento nos últimos anos. Foram mais de 80 blecautes em 2018.

Em março, a Venezuela cortou totalmente a energia elétrica que chegava ao Brasil por Guri. Atualmente, Roraima conta apenas com a energia gerada em usinas térmicas locais. São necessários cerca de 1 milhão de litros de combustível –transportados em carretas até o Estado– por dia para manter o fornecimento.

Dos 270 sistemas isolados, a maior parte está no Norte. As exceções são 1 sistema no Mato Grosso e o arquipélago de Fernando de Noronha.

Entretanto, desde 7 de março de 2019, o fornecimento de energia foi completamento interrompido. Com isso, a região de Boa Vista vem sendo abastecida integralmente com a geração térmica local.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários