MPF-PR dá aval para venda do sítio de Atibaia

Com informações do Site Poder360

O MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná) enviou ao juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, parecer favorável para a venda de Sítio Santa Bárbara em Atibaia (SP), pivô de condenação do ex-presidente Lula na Lava Jato.Eis a íntegra do documento.

No documento, os procuradores solicitam uma avaliação judicial da propriedade, que teve a venda solicitada pelo empresário Fernando Bittar em abril.

“O Ministério Público Federal se manifesta favoravelmente ao pedido formulado por Fernando Bittar, requerendo seja realizada a avaliação judicial do sítio Santa Bárbara e após, para que o requerente realize a venda do imóvel pelo valor mínimo indicado na avaliação, apresentando a proposta de compra a esse i. juízo, ficando condicionado que os valores decorrentes da venda sejam depositados em conta judicial”, disse o MPF-PR.

Enviado em 13 de maio, o documento considera o pedido de Fernando Bittar como “razoável”. Segundo os procuradores, a venda antecipada da residência não trará prejuízo para o processo.

A justificativa dos procuradores para a decisão favorável à venda é que o sítio está desocupado e pode acabar se deteriorando.

CONDENAÇÃO DE LULA

No dia 6 de fevereiro, a juíza federal Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal do Paraná, condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 12 anos e 11 meses, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em ação penal que envolve o sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). Eis a íntegra da decisão.

O ex-presidente, que tem 73 anos, cumpre pena por condenação de 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão relacionada ao caso do triplex do Guarujá. Lula está preso na sede da PF (Polícia Federal) em Curitiba (PR) desde 7 de abril de 2018.

No caso do sítio de Atibaia, Lula foi acusado de receber R$ 1 milhão em propinas das empreiteiras Odebrecht e OAS para reformas em 1 sítio em Atibaia. O imóvel está em nome de Fernando Bittar, filho de Jacó Bittar, 1 amigo de longa data do ex-presidente.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários