Esquema de lavagem de dinheiro era feito pela empresa WE DO Eventos

Com Informações do Portal Diário de Pernambuco.

A Polícia Civil de Pernambuco apresentou os detalhes do esquema de corrupção liderado pelo empresário José Pinteiro da Costa Neto, preso na manhã dessa quinta-feira (9). As investigações revelaram que o empresário lidera um grupo criminoso com membros da própria família. Todos cumprem prisão temporária por envolvimento com lavagem de dinheiro, organização criminosa e crime tributário. A Secretaria da Fazenda chegou a emitir mais de 70 autos de infração desde 2012 diante das irregularidades fiscais.

De acordo com a polícia, a família Pinteiro conseguia uma evolução patrimonial de até 100% a cada ano tendo um crescimento exponencial de bens para manter uma vida de luxo. Apenas ontem foram apreendidos 34 carros, um valor resultante de R$ 24 mil reais entre libras, dólares e reais, além de obras de arte raras, joias e documentos. O grupo financeiro de José Pinteiro mantinha 11 empresas das quais apenas três estavam realmente ativas e as outras serviam apenas para lavagem de dinheiro. De acordo com a Secretaria da Fazenda, R$ 65 milhões foram sonegados e o empresário foi alvo de 77 execuções fiscais. Foi registrada uma movimentação financeira de R$ 358 milhões em um período de cinco anos.

"Nenhum valor foi restituído aos cofres públicos e a partir da comunicação ao Ministério Público de Pernambuco, a delegacia começou a investigação que resultou na operação. Com o andamento do inquérito esses bens bloqueados devem ser revertidos ao pagamento dos créditos tributários devidos para que seja revertido em serviços públicos", comentou o gerente geral de operações da Secretaria da Fazenda, Marcelo Bellei.

A família sonegava o dinheiro com a fabricação e venda de lanchas, através das empresas náuticas Mariner e Aquarium, e da produção de eventos promovidos pela empresa We Do, de José Pinteiro Júnior, conhecido por Dj Jopin. Além dele e José Pinteiro Costa Neto, também foram presos Andréa Pinteiro e Victória Pinteiro, respectivamente mãe e irmã de Jopin e seu primo, Aníbal Pinteiro.

Os presos foram encaminhados ao Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel) e à Colônia Penal Feminina.Com o andamento das investigações, a polícia chegou a outros suspeitos. Já que o José Pinteiro Costa Neto não mantinha contas ativas em banco, os valores sonegados eram movimentados em contas de terceiros. Segundo detalhou a delegada Priscila Von Sohsten, todos tinham conhecimento do esquema.

O suspeito identificado como Rômulo Robério Tavares Ramos movimentava os valores milionários que a família devia ao estado.

A organização criminosa arrecadava com a venda dos produtos e serviços e não apresentava notas fiscais, nem declaravam à Receita Federal e o dinheiro sonegado era repassado a contas de Rômulo, da esposa dele, Patrícia de Lima Oliveira, que é revendedora de cosméticos e mantinha em sua conta bancária valores acima de R$ 4 milhões.

Outras irregularidades foram descobertas pela polícia ao longo das investigações, como o envolvimento de homem identificado como Júlio Machado da Costa Filho, falecido em 2009, mas que era sócio de uma das empresas de Pinteiro até o ano de 2012. "Já que José Pinteiro não tinha conta bancária, ele utilizava as contas das empresas para fazer a lavagem de dinheiro.

Foi deferida a desconsideração da personalidade jurídica para demonstrar que se trata de uma empresa só com o mesmo endereço e os mesmos sócios, mas com vários nomes diferentes. O próprio José Pinteiro da Costa Neto aparecia como sócio e depois retirava o nome", detalhou Sohsten.

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários