Embaixada da Espanha se recusa a entregar líder oposicionista venezuelano

Da assessoria de imprensa em Brasília com informações de O Globo e agências internacionais

O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela ordenou nesta quinta-feira a prisão do líder opositor Leopoldo López , que se refugiou na embaixada da Espanha em Caracas após ter conseguido sair da prisão domiciliar com a ajuda de membros do serviço de inteligência. O tribunal decidiu revogar a medida de prisão domiciliar por “violação flagrante” e ordenou que o Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) o prenda imediatamente. O opositor já cumpriu cinco anos de sua sentença, de quase 13 anos de reclusão.

O governo espanhol, por sua vez, afirmou que não tem intenção de entregar López às autoridades venezuelanas e que espera que Caracas respeite a inviolabilidade da residência. Na embaixada, o opositor agradeceu ao governo do primeiro-ministro Pedro Sánchez e contou ter se reunido com generais e comandantes nas últimas três semanas . Segundo ele, os encontros ocorreram em sua casa, onde cumpria prisão domiciliar. Ele não citou nomes.— Vamos cumprir a meta que traçamos que é a liberdade. Na Venezuela, falar de liberdade é falar de vida ou morte. Não tenho nenhuma dúvida de que a liberdade é a primeira condição para tudo mais. Não vamos descansar até que acabe a usurpação.López deixou na terça-feira a prisão domiciliar em circunstâncias ainda nebulosas, auxiliado por agentes do Sebin, e, horas depois de uma tentativa frustrada da oposição venezuelana de depor Nicolás Maduro , se refugiou na embaixada do Chile em Caracas, junto com a mulher, Lilian Tintori, e os filhos, seguindo depois para a representação diplomática da Espanha.Na quarta-feira, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que o general Gustavo González López voltaria a assumir a direção do Sebin, no lugar do general Manuel Ricardo Cristopher Figuera, acusado por um membro da Assembleia Constituinte (composta por simpatizantes do regime) de estar envolvido na libertação de López. Figuera escrevera uma carta rompendo com Maduro.

Leopoldo López conversa com jornalistas diante da embaixada da Espanha em Caracas Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP

Casa invandida

Na manhã desta quinta-feira, a mulher do opositor, Lilian Tintori, denunciou que a casa do casal em Caracas foi invadida e roubada. A invasão ocorreu na noite de terça-feira, quando nem o casal nem seus filhos estavam na residência, segundo Tintori.

“Entraram em nossa casa, como delinquentes, sem ordem de busca e sem a nossa presença. Destruíram a casa e roubaram nossas coisas”, escreveu ela, no Twitter.

Livros espalhados pelo chão e objetos quebrados após invasão da casa do opositor Leopoldo López Foto: Janaína Figueiredo / Agência O Globo

A situação de todos os dirigentes da oposição é extremamente delicada. Os deputados não respondem a recados e, em alguns casos, nem sequer seus assessores de imprensa sabem onde estão. A ordem, até o momento, é “resguardar-se”. A Assembleia Nacional, de maioria opositora, não se reuniu nos últimos dias, o próprio Guaidó está numa espécie de clandestinidade e seus movimentos não são mais informados pela equipe de comunicação do Parlamento.

López cumpria uma pena de quase 13 anos de reclusão em regime de prisão domiciliar, depois de ser acusado em 2014 e tentar depor o governo de forma violenta. Ele liderava o setor mais duro da oposição, que na época se encontrava dividida entre a via eleitoral e a via insurrecional para a deposição de Nicolás Maduro, herdeiro político de Hugo Chávez.

Casa do líder opositor venezuelano Leopoldo López, que foi invadida pela polícia Foto: Janaína Figueiredo / Agência O Globo

Economista com mestrado em Harvard que completou 48 anos nesta segunda-feira, López foi o principal promotor da estratégia conhecida como "La Salida", que tentou derrubar Maduro por meio da pressão das ruas logo após a morte de Chávez, em 2013. Entre fevereiro e maio de 2014, os protestos deixaram 43 mortos. López foi condenado em 2015 sob as acusações de promover a perturbação da ordem pública, danos à propriedade, incêndio e associação criminosa.

Leopoldo López com a mulher, Lilian Tintori, na porta da residência do embaixador espanhol em Caracas Foto: STRINGER / REUTERS

Ajude-nos a continuar nosso trabalho independente. Você jamais será livre, sem uma imprensa livre. Contribua.

da Redação

Comentários