Exclusivo: MEC deve ficar entre João Roma Filho (PRB), Izalci Lucas (PSDB) ou um gestor técnico

Por Ricardo Antunes

O presidente Jair Bolsonaro confirmou na manhã desta sexta-feira (05), que vai mesmo trocar o comando do MEC. Nos corredores do Palácio e do Congresso começam as apostas para quem irá suceder o Ministro da Educação, Ricardo Vélez.

Sem aceitar o "toma lá dá cá" o presidente deve indicar o nome do deputado João Roma (PRB) para o cargo ou insistir em um nome mais técnico como deseja a ala militar do seu governo. "O que está decidido é que o nome será definido nesse final de semana", confidenciou um assessor do Palácio do Planalto.

Outros nomes também estão sendo citados, como o do senador tucano Izalci Lucas, o ex-ministro Mendonça Filho, o professor da FGV, Marcus Vinicius Rodriguez e Viviane Senna, que já havia recebido o convite de Bolsonaro na época de transição, mas não aceitou. O atual secretário-executivo do Ministério, Ricardo Machado Vieira, também é um dos nomes da lista.

João Roma é amigo pessoal do presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM). O problema é que o Senado continua sem representação no Ministério, o que poderia fazer com que o presidente opte pelo nome do senador Izalci Lucas (PSDB).

O ex-ministro Mendonça Filho (DEM) e o senador Izalci Lucas (PSDB) estão sendo lembrados

A urgência de aprovação da Reforma da Previdência sem o qual o seu governo será frustado, o presidente Jair Bolsonaro se fez convencido a dar mais atenção aos partidos e assumiu que deu mesmo umas "caneladas" ao repetir como mantra o desejo de uma "nova política".

Sem aceitar o "toma lá da cá" o Palácio do Planalto já prepara uma mini reforma depois dos "cem dias do governo" celebrados essa semana. Com isso , Bolsonaro se antecipa a reforma do seu ministério que estava prevista para junho.

"É um excelente quadro e ganha o presidente e a Câmara dos Deputados", disse em reserva um senador que conversou com o blog ao citar o nome do deputado que se elegeu para a Câmara dos Deputados pela primeira vez e não carrega o peso de um nome "desgastado".

Pernambucano que construiu sua carreira ao lado do prefeito de Salvador, ACM Neto, o parlamentar pelo seu estilo discreto e articulador surge como o favorito para assumir a "casca de banana" que se tornou o Ministério da Educação.

Além de chamar um político que tem um perfil técnico a indicação de Roma agradaria tanto ao pastor Marcos Pereira, deputado e presidente nacional do PRB, como também ao próprio prefeito de Salvador, ACM Neto que também esteve com o presidente essa semana.

O prefeito e presidente nacional do DEM, disse claramente ao presidente que vai ensejar esforços para que o partido feche questão em torno da votação da Reforma da Previdência ao contrário de outros partidos que ainda não tiveram esse encaminhamento.

Talentoso e no seu primeiro mandato, após ter feito uma carreira exitosa como chefe de gabinete de ACM Neto, João Roma, ainda conta com a simpatia do Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que tem mostrado ao presidente a necessidade de "abrir" as portas para que nomes - com reconhecida capacidade técnica- possam assumir alguns cargos no governo sem que isso represente o velho "toma lá dá cá" da chamada velha política.

Na sua edição de hoje (05) a revista CrusoÉ publicou que o deputado "baiano" está sendo cotado para a liderança do governo na Câmara. "Além de João Campos o deputado baiano João Roma também está no páreo para ser o sucessor de Major Vitor Hugo, atual líder do PSL".

Na verdade, segundo o blog apurou, realmente João Roma está cotado, mas para um cargo muito maior do que a liderança do Governo.

da Redação

Comentários