Militares entram na mira de 'guru' de Bolsonaro

Do Estadão

Um núcleo estratégico do Planalto entrou na mira de influenciadores das redes sociais do entorno do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos. O vice-presidente Hamilton Mourão e os militares passaram a enfrentar uma onda de críticas por não darem apoio público, por exemplo, à ofensiva pela liberação de armas.Novo alvo da artilharia do escritor Olavo de Carvalho, Mourão prefere ignorar os ataques. "O senhor Olavo não me conhece, nunca conversou comigo. Não sabe quais as minhas ideias e, por conseguinte, não vou polemizar com ele", afirmou o general ao Estado sobre o "guru" do bolsonarismo.

O mais recente petardo foi desferido no sábado, 16, à noite, após um encontro com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, em Washington. "Mourão é um idiota", afirmou Olavo a jornalistas.

O ataque faz parte de uma ofensiva do escritor e seus seguidores contra o general da reserva - que assumiu a Presidência interinamente com a viagem de Bolsonaro aos Estados Unidos. Dos 287 posts de Olavo no Twitter nas duas primeiras semanas deste mês, 77 (27%) são críticos a Mourão e a militares de forma geral. Nas mensagens, o escritor alimenta a especulação de que o vice atua para derrubar o presidente.

No dia 11, Olavo chamou a atenção de seus seguidores para um projeto de lei apresentado pelo ex-deputado e senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB), que dá mais poderes ao vice. O texto não é tratado como prioridade pelo Senado, mas mereceu a atenção de Olavo. "O deputado que quer 'ampliar as funções do vice-presidente da República' é do PSB, pertencente ao Foro de São Paulo. O Mourão vive no coração dessa gente", disse Olavo pelo Twitter.

Pela proposta, o vice-presidente deve dar assistência "direta e imediata" na coordenação das ações de governo, no monitoramento dos órgãos, na supervisão dos ministros e nas análises de políticas públicas. Na contramão de Olavo, Mourão gostou da ideia por traçar um "norte" para o cargo que ocupa atualmente. "O vice poderia ser, por exemplo, um coordenador de determinadas ações governamentais, para utilizar melhor o potencial dele", afirmou ele.

Autor do texto, Veneziano disse que sua intenção foi apenas a de "preencher a lacuna constitucional". "Hoje, a Carta Magna só fala em substituição e sucessão como atribuição do vice-presidente", justificou.

da Redação

Comentários