EXCLUSIVO: Ministro cancela decisão do TJPE que queria pagar R$ 7 milhões de auxílio retroativo a magistrados

Por Ricardo Antunes

Uma liminar concedida pelo CNJ acaba de suspender o pagamento pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco de mais de R$ 7 milhões que seriam pagos de forma retroativa. Além disso  também suspendeu o   aumento de 46,23% do auxílio-alimentação que havia sido determinada na última quarta-feira (20) pelo TJPE.A  decisão foi do Ministro e Corregedor Nacional de Justiça, Humberto Martins. 

O pedido para a concessão do benefício havia sido feito pela Associação dos Magistrados de Pernambuco e aprovado em segunda instância. 

A liminar revogada pelo corregedor suspendia os efeitos da recomendação 31/2018, que orienta os tribunais a não pagar auxílios ou qualquer verba a ser instituída ou aumentada, mesmo relativos a valores atrasados, sem autorização prévia do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Com a portaria do TJPE publicada na quarta (20), o benefício para cada magistrado no estado aumentaria de R$ 1.068 para R$ 1.561,80, sendo retroativo a janeiro de 2019.

A decisão do ministro foi proferida após um ofício encaminhado pelos conselheiros Henrique Ávila e Maria Tereza Uille, representantes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados no CNJ. Eles afirmaram que o aumento do TJPE é "possivelmente irregular" e "causa efeitos financeiros imediatos".

Além de restabelecer a recomendação aos tribunais de todo o país, o corregedor nacional de Justiça também determinou a instauração de pedido de providências para apurar o caso do TJPE. Martins solicitou, ainda, informações do presidente do TJPE, desembargador Adalberto de Oliveira Melo, sobre os fatos, no prazo de dez dias.

Comentários

Leia mais...

Mais em Sem Censura