Campanha de Bolsonaro pede direito de resposta à Folha e acusa “fake news”

 

Por O Antagonista

A campanha de Jair Bolsonaro protocolou no TSE, na noite desta sexta-feira, pedido de direito de resposta à matéria da Folha de S. Paulo “Empresas bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”. O Antagonista teve acesso ao documento.

Os advogados do presidenciável do PSL acusam o jornal de “produzir uma verdadeira fake news em prol da campanha adversária que se encontra muito mal posicionada nas pesquisas eleitorais”.

 

Eles afirmam que a prática de caixa 2 pela campanha de Bolsonaro é fato “sabidamente inverídico” e que se evidencia “a vontade de manipular o eleitor para definir o destino da nação, sem qualquer responsabilidade e ética”.

 

“Chamá-lo de fascista, nazista, machista, homofóbico, racista e agressivo, não funcionou. Foi, então, que (…) inventaram fatos, auxiliando a coligação de Fernando Haddad a ajuizar uma ação de investigação judicial eleitoral, sem qualquer prova ou fundamento jurídico.

 

A intenção é clara: tentar dar ar de veracidade a uma situação que jamais ocorreu. E pior: usando o judiciário (…) para manter o PT no poder.”

 

A defesa alega também que “a matéria não permitiu o direito do contraditório”, já que “em nenhum momento o candidato foi consultado”.

 

Os advogados pedem ainda a retirada do ar da notícia da Folha, “evitando assim que seja irregularmente propagado” que Bolsonaro “cometeu crime de caixa 2”.

 

“O risco da demora evidencia-se também no fato de que a referida informação falsa tem sido explorada nas propagandas eleitorais pela coligação adversária ao Representante e nas redes sociais de candidatos, dirigentes e militantes, que se utilizam da matéria aqui impugnada para fundamentar suas calúnias.”

Comentários

Leia mais...

Mais em Política