Ao pedir foro privilegiado, Flavio Bolsonaro consegue irritar aliados e traz para o STF um problema que era no Rio.

Por Ricardo Antunes

Ao transferir um problema circunscrito ao Rio de Janeiro para Brasília o senador eleito, Flavio Bolsonaro, conseguiu irritar todo mundo. Dos aliados políticos, aos militares passando pelo Ministério Público ninguém entendeu nada. Foi um erro políico que pode respingar no Palácio do Planalto e na imagem do presidente eleito.

Em Brasília, sob a condiçao de anonimato, quatro ministros do STF concordaram com a opinião de que a estratégia de Flávio Bolsonaro foi  suicida. "Ele só fez prolongar seu desgaste e ainda colocou a PGR no meio", disse um deles.

Ao apelar também para o "foro privilegiado", que ele sempre criticou junto com seu pai, o filho do presidente também  novas críticas em torno de uma novela com gosoto duvidoso.

"Agora a Procuradoria-Geral da República terá de entrar no caso. E o filho passará a ser investigado no STF, o que significa investigar também o pai, que já disse que recebeu recursos dessa conta”, pondera a mesma fonte..

 

O procurador Deltan Dalagnolc criticou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux que suspendeu a investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre as movimentações financeiras de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito.

"Com todo o respeito ao Min. Fux, não há como concordar com a decisão, que contraria o precedente do próprio STF. Tratando-se de fato prévio ao mandato, não há foro privilegiado perante o STF. É de se esperar que o Min. Marco Aurélio reverta a liminar”, escreveu Deltan em seu perfil no Twitter.

A decisão de Flavio Bolsonaro foi tão surpreendente que até grupos como Movimento Brasil Livre (MBL) e do Vem Pra Rua ( antipetistas e que apoiaram a campanha de Jair Bolsonaro) criticaram sua postura. Entre alguns generais o tema também foi muito comentado.

Enquanto isso, a oposição, o PT e PSOL estão fazendo a festa nas redes sociais.

Comentários

Leia mais...

Mais em Sem Censura