Opinião

Com “tradição autoritária” Bolsonaro apresenta amontoado de clichês na área econômica

Com “tradição autoritária” Bolsonaro apresenta amontoado de clichês na área econômica

02/10/2017 14:31

Por Melillo Dinis

O Brasil vive enorme vácuo político. Depois de décadas de democratização a qualidade da política e de nossos políticos é uma vergonha. Em crises, e a quase um ano das eleições presidenciais, do Congresso Nacional e dos governadores, procuramos opções que não estejam enlameadas pela corrupção nem contaminadas pela incompetência. Quanto ao próximo presidente da República, muitos falam da necessidade de buscar um personagem fora da política. Outros oferecem uma destas figuras típicas da tradição autoritária latino-americana: Jair Bolsonaro.

Com ares de mito, o deputado de 62 anos, que está em seu 6º mandato em Brasília, tem pouquíssima novidade. Mas é no campo da economia que a tragédia de seu pensamento assusta a quem sabe somar. Seus pressupostos são totalmente reunidos em um amontoado de clichês: Estado mínimo, opção exclusiva pelas privatizações, bilateralismo nas relações comerciais e nas trocas internacionais, resolução da questão social brasileira por meio das polícias (menos violência igual a mais consumo), nada de inclusão ou de diálogo com as forças sociais, econômicas e produtivas, subsídios a setores “estratégicos”, barreiras tarifárias e não-tarifárias para importados, dentre outros chavões. É o que chamo de economia estúpida.

Tal conjunto de propostas “econômicas” evidencia o limite deste outsider que é um insider na política com 20 anos de presença congressual. Nos muitos desafios que o Brasil exige nesta mudança de época da vida nacional, o eventual candidato apenas titubeia em torno de umas poucas palavras, sem nenhuma consistência econômica e política.

Claro que a decisão do eleitor em escolher o “seu” candidato não se resume meramente aos temas econômicos diretos e indiretos. Mas se formos medir o que teremos com Bolsonaro, pelo que lemos e escutamos de sua parte e de seus seguidores, não há esperança.

Curiosamente, a ideia de mito político que os torcedores de Bolsonaro trazem em suas aparições pelo país apenas demonstra a razão da escola junguiana em pensar que os mitos revelam o nosso inconsciente coletivo: fragilidade, medos e incertezas acerca do futuro no caso brasileiro.

O “mito” é apenas o pesadelo de nossos tempos! As atuais pesquisas apenas registram este triplo sofrimento e outros mais que estão pulsando enquanto convivemos.

Melillo Dinis é advogado e cientista político

Compartilhe nas suas redes sociais.Share on FacebookTweet about this on Twitter

Opine e entre na discussão